Plano de desinvestimentos prevê Petrobras concentrada no Sudeste

"A Petrobras vai ser uma companhia bem focada em exploração e produção de petróleo e gás natural em águas profundas, geograficamente concentrada no Sudeste brasileiro, em três estados: Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo", afirmou o presidente da c

Roberto Castello Branco, presidente da PetrobrasRoberto Castello Branco, presidente da Petrobras - Foto: Arquivo /Fabio Rodrigues Pozzebom /Agência Br

Em apresentação para investidores estrangeiros na semana passada, a Petrobras apontou seu futuro em um mapa com ativos apenas na região Sudeste e a possibilidade de investimentos em logística para atender Sudeste e Centro-Oeste, grande consumidor de óleo diesel.

"A Petrobras vai ser uma companhia bem focada em exploração e produção de petróleo e gás natural em águas profundas, geograficamente concentrada no Sudeste brasileiro, em três estados: Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo", disse em Nova York o presidente da companhia, Roberto Castello Branco.

Leia também:
BNDES prepara oferta pública de ações da Petrobras
Estados do Nordeste tentam deter fuga de investimentos da Petrobras

Ele frisou que o objetivo é vender todas as suas operações em terras ou águas rasas em outros estados, confirmando temores de governadores do Nordeste sobre a saída da empresa da região onde nasceu a indústria do petróleo no país.

O movimento já foi iniciado com a abertura de processo de desinvestimento em campos de petróleo, refinarias, fábricas de fertilizantes e de biodiesel nas regiões Sul, Nordeste e Norte. Dos 205 campos ou blocos exploratórios colocados à venda pela empresa desde 2015, 145 (ou 70,7%) estão nas regiões Norte e Nordeste.

Berço do petróleo brasileiro, a Bahia lidera a lista, com 50. Depois vêm Rio Grande do Norte (49) e Sergipe (27, quatro deles com a venda apenas de uma fatia). A expectativa é que a empresa mantenha apenas operações em águas profundas em Sergipe, onde descobriu recentemente grandes reservas de petróleo e gás.

Nessa linha, a estatal já decidiu também desmobilizar edifícios administrativos em capitais nordestinas, como Sergipe e Natal, e criou um programa de transferência para os estados onde manterá atividades, como Rio, São Paulo e Espírito Santo.
O plano de investimentos para o período entre 2020 e 2024 fala em US$ 20 bilhões a US$ 30 bilhões (R$ 82 bilhões a R$ 123 bilhões). O documento prevê investimentos de US$ 75,7 bilhões (cerca de R$ 310 bilhões), dois terços desse valor dedicados ao pré-sal e outros 8% em refino, ou seja, ao menos 75% direcionados ao Sudeste.

"Como ficam todas as ramificações que a Petrobras tem [nesses estados]? Mesmo quem é contra a presença nacional dela não pode negar que a Petrobras tem raízes. Não pode simplesmente desenraizar e sair fora", diz o líder da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, senador Jean-Paul Prates (PT-RN).

Lançada em maio, a Frente iniciou nessa semana um giro pelos estados nordestinos para buscar apoio dos governos da região contra a estratégia da empresa. Na sexta (13), apresentou em Natal estudo sobre o impacto do processo no Rio Grande do Norte. Eles contam com apoio da FUP (Federação Única dos Petroleiros), que teme a perda de empregos com a saída da Petrobras da região. A empresa diz que ofereceu a parte de seus empregados transferência para a sede no Rio, mas nem todos devem ser aproveitados.

O estudo apresentado à governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), fala em redução do número de trabalhadores no setor, maior rotatividade e salários mais baixos. Entre 2015 e 2018, diz, o salário médio do segmento de extração de petróleo e gás no Nordeste caiu 58%, para R$ 2,677,27. Nas atividades de apoio à indústria petrolífera, a queda foi de 17%, para R$ 2.071,93. O documento alerta ainda para a perda do "efeito propulsor" da estatal na atração de outras empresas para explorar petróleo no estado.

Desde a gestão Michel Temer, a área energética do governo defende que a saída da Petrobras pode representar aumento de investimentos em outras regiões, já que a Petrobras vinha reduzindo os aportes em projetos de menor porte para priorizar os campos gigantes do pré-sal.

Ex-secretário de Petróleo e Gás do MME (Ministério de Minas e Energia) com Temer e Bolsonaro, Márcio Félix diz que o movimento abre espaço para a diversificação dos operadores de campos de petróleo no país. Segundo ele, as empresas que vêm comprando campos da estatal devem começar a investir em breve.

"A gente já está no limiar da virada, em 2020 começa a ser mais perceptível", diz Félix, que hoje é secretário executivo do Fórum Sergipano de Petróleo e Gás. "Já tem um número grande de blocos [de exploração e produção de petróleo] nas mãos de terceiros."

No refino e nas fábricas de fertilizantes ou biocombustível, dizem os defensores da privatização, a entrada de novos operadores pode justificar investimentos em aumento da capacidade de produção ou de logística na região.

Estudo feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos) estima que a venda das refinarias vai impactar a vida de 4.895 empregados. Parte deles será reaproveitada pelos novos compradores, mas, segundo a FUP, primeiro serão demitidos antes da recontratação.

"O que está sendo feito hoje é um programa de transferência compulsória", diz o diretor da FUP Deyvid Bacellar. "As pessoas estão praticamente sendo compelidas a se transferir para qualquer lugar no Rio, São Paulo ou Espírito Santo."

A Petrobras não respondeu ao pedido de entrevista.

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras, o senador Jean-Paul Prates (PT-RN) diz não ser contra desinvestimentos de empresas, mas defende que o plano da Petrobras seja debatido com os brasileiros. Ele afirma que a venda de refinarias, por exemplo, é prejudicial à empresa e representa ingerência do governo em sua estratégia. "É como se o Burger King fosse hegemônico em uma cidade e decidisse vender metade das lojas para o McDonald's, abrindo mão do mercado."

A Petrobras colocou à venda 8 de suas 13 refinarias, mantendo interesse apenas nas quatro unidades localizadas em São Paulo e na Refinaria Duque de Caxias, no Rio. Com isso, espera reduzir à metade sua fatia na capacidade nacional de refino de petróleo.

O presidente da estatal argumenta que a competição é favorável à empresa, pois reduz possibilidade de controle de preços. Em junho, a empresa fechou acordo com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) se comprometendo a vender as unidades até o fim de 2021.

Um dos consultores que ajudaram a escrever a lei que pôs fim ao monopólio da Petrobras em 1997, Prates diz não ser contra a participação privada no setor de petróleo, mas acha que a Petrobras deve preservar seu papel estratégico.

Veja também

Loja de fábrica da Magnum Tires abre nova filial no RecifeFMOTORS

Loja de fábrica da Magnum Tires abre nova filial no Recife

Veja o que mudou na nova Fiat Fiorino, que encosta na casa dos R$ 100 milFMOTORS

Veja o que mudou na nova Fiat Fiorino, que encosta na casa dos R$ 100 mil