A-A+

Portugal planeja exportar mais azeite para o Brasil

Brasil é o principal destino do azeite exportado pelos portugueses

AzeiteAzeite - Foto: Divulgação

Portugal produziu 119 mil toneladas de azeite na safra 2017/18. Deste volume, 94 mil saíram do Alentejo, uma região que já fornecia o produto para os romanos há 2.000 anos. Os portugueses aumentam ano a ano a área dos olivais, que já é de 360 mil hectares, e buscam, cada vez mais, o mercado externo. Em 1990, o país produziu 200 mil toneladas de azeitonas para a fabricação de azeite. No ano passado, foram processadas 740 mil.

O Brasil é o principal destino do azeite exportado pelos portugueses. No ano passado, o país importou 69 mil toneladas de azeite de oliva. Segundo a Secex (Secretaria de Comércio Exterior), 38 mil vieram de Portugal. As importações de azeite refinado e não modificado quimicamente somaram 11 mil toneladas. Portugal forneceu 8.852 (80%) delas.

Leia também:
Ministério da Agricultura suspende venda de 33 marcas de azeite por adulteração
Apetite da China por agro brasileiro vai além da soja e se diversifica em 10 anos


Parte da produção de azeite é feita por investidores estrangeiros. Foi o destino do engenheiro mecânico brasileiro Luís Simões, da Portugal Rural. Mesma língua e mesmos hábitos o levaram ao país europeu. Em 2003, começou a plantar oliveiras e a fazer azeite no Alentejo. À área atual do olival de 250 hectares serão acrescentados mais 80 nos próximos anos.

Quando lhe é perguntado se, experiente na atividade agora, não voltaria ao Brasil para desenvolver a produção de azeite, Simões responde que o país tem suas dores de cabeça e ele não tem mais idade para isso.

Copos azuis sobre uma mesa e Ana Carrilho, gerente da Esporão Azeite e diretora da Cepaal (Centro de Estudos e Promoção do Azeite Alentejano), começa a explicar a importância da análise sensorial. A forma da colheita, o frescor das azeitonas e a ausência de impurezas no processo vão determinar o resultado final do azeite, que pode ser comprovado pela análise.

O copo azul permite uma prova às escuras, para que a cor do produto não influencie a avaliação. O azeite é colocado no copo, coberto e, na sequência, aquecido com as mãos.
O próximo passo é girar lentamente o copo e inalar. O copo é recoberto novamente e, em seguida, o azeite é colocado na boca, deixando-o fluir pela garganta.

É o caminho para a análise mostrar aromas e sabores do azeite. O tipo extra virgem não tem defeitos. Já o virgem pode conter pequenos defeitos oriundos do processo de produção, segundo Carrilho. O azeite do Alentejo é aromático e suave, segundo a diretora do Cepaal.

Vinho e azeite estão interligados, e as vinícolas também produzem azeite. Na sua maioria, todas têm um projeto de expansão da produção para os próximos anos.
A Santa Vitória processa 1 milhão de quilos de azeitona por safra, mas já tem um parque industrial com capacidade para 5 milhões.

A Herdade dos Grous tem 110 hectares e vai plantar mais 120. As empresas que ainda não estão no mercado brasileiro já se preparam para entrar. É o caso da Casa Relvas, que deverá lançar o produto aqui no Brasil em 2020.

Veja também

Nubank protocola pedido de IPO
Economia

Nubank protocola pedido de IPO

FMI pede que G20 aumente ajuda para reestruturar dívida dos países pobres
Economia

FMI pede que G20 aumente ajuda para reestruturar dívida dos países pobres