Economia

Poupança tem melhor resultado desde 2009; Bolsa lidera ganho em 2016

Entre 2010 e 2014, período de inflação mais baixa, mas também de juros menores, a poupança registrou ganhos reais inferiores 1%

Evento debate educação no Cabo de Santo AgostinhoEvento debate educação no Cabo de Santo Agostinho - Foto: Divulgação

A desaceleração da inflação em 2016 fez a caderneta de poupança ter o maior ganho real em sete anos.

Descontada a inflação, a rentabilidade da poupança foi de 1,9% no ano passado, conforme levantamento da consultoria Economatica. É o melhor retorno desde 2009, quando a caderneta rendeu 2,63%.

Em 2016, o índice oficial de inflação, o IPCA, ficou em 6,29%. Em 2015, quando o IPCA atingiu 10,67%, o maior percentual desde 2002, a poupança teve perda de 2,28%.

Entre 2010 e 2014, período de inflação mais baixa, mas também de juros menores, a poupança registrou ganhos reais inferiores 1%. A poupança rende a variação da TR (Taxa Referencial) mais 6,17% ao ano.

Em termos nominais, sem descontar a inflação, a rentabilidade da poupança foi de 8,30% em 2016, o melhor resultado desde 2006, quando rendeu 8,40%.

O levantamento considera apenas as poupanças antigas, abertas antes de 4 de maio de 2012. As contas e os depósitos feitos a partir daquela data rendem menos sempre que a taxa básica de juros (Selic) for igual ou inferior a 8,5% ao ano. Isso ocorreu entre maio de 2012 e julho de 2013.

Baixa rentabilidade

Mesmo com ganho real em 2016, a poupança é menos atrativa que outros investimentos.

Numa análise de seis aplicações financeiras feita pela Economatica, incluindo a poupança, o melhor ganho real foi o do Ibovespa. Descontada a inflação, o principal índice da Bolsa teve rentabilidade de 30,72%.

O CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro), usado na renda fixa, teve ganho de 7,25% acima da inflação.

O pior resultado em 2016 em termos reais é do euro, que perdeu 23,89% em poder aquisitivo, seguido pelo dólar Ptax venda com -21,47% e pelo ouro com -17,51%.

A baixa rentabilidade, aliada à crise econômica, levou os saques de recursos caderneta de poupança a alcançarem R$ 1,98 trilhão em 2016, o maior montante desde 1995, início da série histórica, segundo o Banco Central. A captação líquida da caderneta foi negativa em R$ 40,7 bilhões no ano passado.

Veja também

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros
Letra de Crédito do Desenvolvimento

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Newsletter