Preço da cebola cai 40% em Pernambuco

Chuva nas regiões produtoras amplia a colheita. Em Cabrobó, resultado passou de 1,5 mil para 2,5 mil toneladas. Com a maior oferta, preço ao consumidor cai, mas agricultor tem perdas

CebolaCebola - Foto: divulgação

Condições climáticas favoráveis intensificaram a produção de cebola no Brasil neste ano. Só em Cabrobó, maior produtor de Pernambuco, a colheita passou de 1,5 mil para 2,5 mil toneladas/mês, o que provocou um aumento de 10% na oferta da hortaliça no Centro de Abastecimento e Logística do Estado (Ceasa). A demanda, porém, não acompanhou o aumento de oferta. Por isso, o preço do produto caiu cerca de 40% só em agosto. A queda foi tão grande que o quilo da cebola já pode ser encontrado por R$ 1 em muitos locais do Recife, o que beneficia os consumidores, mas prejudica a sobrevivência dos produtores do Interior do Estado.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a oferta de cebola passou de 3,7 mil toneladas em agosto de 2017 para 4,2 mil toneladas em agosto deste ano só na Ceasa de Pernambuco. Por isso, a saca de 20 quilos da hortaliça, que era vendida por R$ 31 em 2017, passou a custar R$ 15. "O valor é o mais baixo dos últimos três anos", revelou o técnico da Conab, Eric Farias. E o Sindicato Rural de Cabrobó diz que, em outros locais do Estado, a saca ficou ainda mais barata, chegando a apenas R$ 10. Por isso, o preço de venda já não cobre mais os custos de produção.

"Enquanto os consumidores estão aproveitado, os produtores agrícolas têm sofrido prejuízos por conta do preço da cebola. Eles estão precisando vender a hortaliça por apenas 1/3 do custo da produção", confirmou o chefe do setor de informações do mercado agrícola da Ceasa, Marcos Barros. "A situação está péssima, porque não está compensando fazer a colheita. Muita coisa tem ficado no campo e pode vir a se perder", lamentou o engenheiro agrônomo e pesquisador do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Jonas Candeia.

E o sindicato rural reconhece que, em Cabrobó, já há cebolas estragando porque os produtores desistiram de fazer a colheita. "Com este preço, muita gente preferiu deixar estragar", admitiu o presidente sindical, Cícero Vieira, explicando que a maior parte da safra vem da agricultura familiar, que não tem recursos para arcar com esse custo.

Leia também:
Marcos Palmeira investe há mais de 20 anos na agricultura orgânica
Censo mostra aumento da área destinada à agricultura no país


Outros estados
Vieira disse ainda que a situação chegou a esse ponto em Pernambuco - o terceiro maior produtor de cebola do Brasil - porque, além de ter crescido, a safra estadual coincidiu com a colheita dos maiores produtores do País (São Paulo e Minas Gerais), que também ampliaram a produção. "Houve uma coincidência de safra neste ano. Por isso, o Nordeste não está conseguindo mandar cebola para o Sudeste, como normalmente acontece", reconheceu o pesquisador do IPA.

Ele ainda disse que, ao contrário dos produtores dos estados do Sudeste, que têm tentado escoar o aumento da produção para o mercado externo - tanto que as exportações para o Uruguai e a Argentina cresceram 383%, chegando a 12,8 mil toneladas, o maior volume dos últimos três anos, segundo a Conab -, Pernambuco ainda não consegue exportar cebola. "O pequeno produtor não sabe fazer isso. E, ao contrário do Sudeste, onde a colheita pode levar mais tempo por conta do clima mais frio, aqui a cebola acaba estragando por causa do calor", lamentou Cícero Vieira.

Veja também

É cedo para dizer se haverá depreciação de carros da Ford após fechamento de fábricas
Ford

É cedo para dizer se haverá depreciação de carros da Ford após fechamento de fábricas

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 13 milhões
Sorteio

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 13 milhões