Preço da gasolina cai 2% nas refinarias a partir de sábado

Com a decisão, valor cairá de R$ 2,1490 para os R$ 2,1060 anunciado pela estatal para vigorar neste sábado

O litro do combustível passará a ser comercializado a R$ 1,8466 O litro do combustível passará a ser comercializado a R$ 1,8466  - Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

A Petrobras anunciou, nesta sexta-feira, em sua página na internet, que o preço do litro da gasolina ficará 2% mais barato em média nas refinarias de todo o país a partir de sábado (20). Com a decisão, valor cairá de R$ 2,1490 – preço que vigorava desde o último dia 12 – para os R$ 2,1060 anunciado pela estatal para vigorar neste sábado.

O preço do litro do combustível atingiu maior valor nas refinarias no dia 14 de setembro último, quando a Petrobras passou a cobrar pelo litro da gasolina R$ 2,2514, preço que se manteve por 12 dias, até o dia 22 do mesmo mês, portanto por doze dias consecutivos.

A partir de então, o preço do litro da gasolina passou a registrar quedas consecutivas. No dia 25 de setembro, a estatal reduziu o preço do litro do procuto para R$ 2,2381, mantendo desde então uma tendência de queda no preço do litro da gasolina.

Leia também:
Chineses terão 20% de refinaria do Comperj, diz Petrobras
Petrobras anuncia redução de 0,9% no preço da gasolina nas refinarias
 

A última movimentação no preço do produto se deu no último dia 12 de outubro, quando o preço médio do litro nas refinarias passou a custar R$ 2,1490, preço que ficou estável por quatro dias consecutivos até o aumento anunciado nesta sexta-feira e que passará a vigorar a partir de sábado.

O óleo diesel cobrado nas refinarias está em R$ 2,3606, o litro, desde o dia 30 de setembro, quando foi reajustado. Antes custava R$ 2,2964.

Veja também

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão