Preços do petróleo sobem em razão de tensão entre EUA e Irã

Nos últimos dias, a queda brutal na demanda por petróleo devido ao confinamento imposto para conter a epidemia de Covid-19 fez com que os preços caíssem abaixo de zero

PetróleoPetróleo - Foto: Creative Commons

Os preços do petróleo subiam nesta quinta-feira (23), com o aumento da tensão entre o Irã e os Estados Unidos, o que ofuscou por um momento as dificuldades relacionadas ao novo coronavírus que afundaram o mercado nesta semana.

Às 6h50 (horário de Brasília), o barril de Brent, referência europeia, para entrega em junho, subia 9,33%, vendido a US$ 22,27. Na quarta-feira (22), fechou em seu nível mais baixo desde junho de 1999, abaixo de US$ 16. Em Nova York, o barril WTI, referência nos EUA, para entrega em junho, era negociado a US$ 15,68, ou seja, um aumento de 13,79%.

Nos últimos dias, a queda brutal na demanda por petróleo devido ao confinamento imposto para conter a epidemia de Covid-19 fez com que os preços caíssem abaixo de zero, uma situação sem precedentes no setor.

Leia também:
EUA comprará 75 milhões de barris de petróleo para sua reserva estratégica
Dólar ultrapassa R$ 5,30 com instabilidade no mercado de petróleo
Petróleo WTI cai 140% e tem preço negativo pela 1ª vez na história


Os investidores estavam pagando para se livrar dos barris e os principais atores do mercado procuravam onde armazenar petróleo à espera de melhores tempos. Na quarta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse ter dado a ordem para atacar e destruir qualquer embarcação iraniana que se aproximar perigosamente de navios americanos na área do Golfo Pérsico.

Na semana passada, os Estados Unidos acusaram Teerã de assediar navios americanos nas águas internacionais do Golfo, com lanchas passando "em alta velocidade" e "muito perto" dos navios americanos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Correios: relator propõe exclusividade de 5 anos para serviços postais e estabilidade de 18 meses
PRIVATIZAÇÃO

Correios: relator propõe exclusividade de 5 anos para serviços postais e estabilidade de 18 meses

Copom acelera ritmo de aperto com alta de 1 ponto na Selic, maior alta em 18 anos
taxa de juros

Copom acelera ritmo de aperto com alta de 1 ponto na Selic, maior alta em 18 anos