Prejuízo da Embraer cai de R$ 387,7 milhões para R$ 111,4 milhões

Aumento da receita está associado à entrega de 29 aeronaves comerciais e 25 aviões executivos

Luciana Santos (PCdoB) deu entrada nesta terça-feira (10), em requerimentoLuciana Santos (PCdoB) deu entrada nesta terça-feira (10), em requerimento - Foto: Divulgação

O prejuízo líquido da Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica) teve expressiva queda no terceiro trimestre deste ano, ao atingir R$ 111,4 milhões ante R$ 387,7 milhões de igual período do ano passado. Na mesma base de comparação, a receita líquida cresceu 7%, alcançando R$ 4.913,4 milhões. Já o lucro ajustado (com os descontos do imposto de renda e de outras despesas) foi de R$ 255,9 milhões.

Segundo a Embraer, o aumento da receita está associado à entrega de 29 aeronaves comerciais e 25 aviões executivos dos quais 13 são jatos leves e 12 grandes. No período, também cresceu em 9% a receita com o segmento de defesa e segurança. No acumulado do ano, de janeiro a setembro, a empresa obteve receita líquida R$ 14.733,5 milhões, 20% acima do registrado em igual período de 2015.

Carteira de pedidos tem ligeira queda

No encerramento do terceiro trimestre, a empresa registrou uma carteira de pedidos firmes (backlog) de US$ 21,4 bilhões, um pouco abaixo do valor obtido, no trimestre anterior (US$ 21,9 bilhões).

A companhia provisionou R$ 18 milhões adicionais a título de despesas operacionais em torno do acordo judicial de US$ 206 milhões com autoridades dos Estados Unidos e do Brasil, para encerrar um caso de investigação de irregularidades cometidas por agentes da companhia na venda de aviões a diversos países.

Também foi feita uma provisão de R$ 384,4 milhões para os custos vinculados à primeira fase do programa de demissões voluntárias (PDV).

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia