Presidente da Petrobras diz que vazamento é a maior agressão ambiental

Para ele, assunto tem sido abordado de forma "politizada"

Roberto Castello Branco, presidente da PetrobrasRoberto Castello Branco, presidente da Petrobras - Foto: Arquivo /Fabio Rodrigues Pozzebom /Agência Br

O vazamento de óleo que tem sido retirado do litoral do Nordeste é a maior agressão ambiental já sofrida pelo Brasil em sua história, disse hoje (29), no Rio de Janeiro, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Ele participou de um seminário da Fundação Getúlio Vargas sobre a matriz energética brasileira e comentou o desastre ambiental.

"(O vazamento) é maior agressão ambiental sofrida por nosso país, creio eu, em nossa história", disse. Afirmou que o assunto tem sido abordado de forma "politizada e ideologizada", com "versões falsas" sobre o que poderia ter sido feito.

Leia também:
Chega a 1.500 toneladas o total de óleo recolhido em praias e rios de Pernambuco
Governo faz coletiva sobre manchas de óleo no Nordeste
Óleo que vazou foi extraído de três campos na Venezuela, diz Petrobras

"Na realidade, era impossível combater isso na origem. As empresas de petróleo e a Petrobras estão preparadas para combater vazamentos de petróleo, uma vez identificada a fonte do vazamento", afirmou.

Castello Branco comparou a quantidade de óleo retirada das praias ao desastre ambiental no Golfo do México, em que o vazamento partiu da petrolífera British Petroleum (BP). "É semelhante", disse.

Ainda não se sabe de onde vazou o óleo que atinge as praias nordestinas, mas pesquisadores já apontaram que o vazamento ocorreu no oceano, em uma área entre 600 e 700 quilômetros de distância da divisa entre Sergipe e Alagoas. Uma das hipóteses é que o óleo foi extraído de três campos na Venezuela e, provavelmente, estava sendo transportado quando ocorreu o acidente.

Leilões
O presidente da Petrobras afirmou, ainda, que o setor petrolífero vive um "ano extraordinário" no país e avaliou que o leilão de excedentes da cessão onerosa, marcado para semana que vem, é uma vitória do governo.

"A demanda global por petróleo tende a crescer lentamente, quem sabe estagnar e, no futuro, reduzir. Não podemos esperar e deixar o petróleo no fundo do mar", defendeu ele.

A seguir, disse que, por uma questão de priorizar os ativos de maior retorno, a Petrobras manifestou preferência por apenas dois campos, os de Itapu e Búzios, este o maior já descoberto no Brasil. Ele disse que a estatal está otimista com o resultado. "Vamos com entusiasmo para ganhar".

Eleição argentina
O presidente da Petrobras também comentou o resultado da eleição presidencial na Argentina durante sua palestra de hoje. Foram eleitos o presidente Alberto Fernandez e a vice Cristina Kirchner, em uma disputa em que o principal adversário era o atual presidente, Maurício Macri.

Ao fazer uma comparação com propostas legislativas para regular novamente percentuais mínimos de conteúdo local para a indústria de petróleo, Castello Branco classificou de "erro" a eleição de alguém que, na visão dele, provocou os problemas vividos pelo país vizinho.

"Não podemos repetir a Argentina, onde se tira um presidente que não consegue se eleger porque não conseguiu solucionar os problemas. Aí, você traz de volta alguém que provocou os problemas. Esse é claramente um erro", finalizou.

Veja também

Líder do governo diz ter definido proposta de reforma tributária e novo programa social
MUDANÇAS

Líder do governo diz ter definido proposta de reforma tributária e novo programa social

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 60 milhões
Loteria

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 60 milhões