Coronavírus

Presidente do BC defende vacinação e priorização de idosos para retomada da economia

Campos Neto afirmou que o mercado está focado em como serão os programas de vacinação

Roberto Campos Neto, presidente do Banco CentralRoberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Foto: Agência Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, defendeu nesta terça-feira (26) a vacinação contra a Covid-19 e a priorização de idosos na campanha como forma de retomada mais rápida da economia.

Segundo o titular do BC, a imunização do grupo de risco seria suficiente para minimizar o "scaring effect", ou efeito medo em tradução livre. Em evento do banco Credit Suisse, ele mostrou dados de Israel que apontam queda no número de mortes e internações após a vacinação de idosos.

"Se conseguirmos vacinar mais rapidamente o pessoal mais velho, o número de óbitos vai para próximo de zero rapidamente [olhando para os dados de Israel]. Então fica sempre a preocupação que a priorização seja feita de forma a minimizar as internações e os óbitos porque tira o 'scaring effect' e faz a economia voltar a normalidade mais rapidamente", disse.


Para o presidente do BC, embora o Brasil esteja atrás de outros países em número de doses da vacina, há uma vantagem na capilarização e na capacidade de imunização do SUS (Sistema Único de Saúde). "Chegando as doses elas serão aplicadas de forma rápida e eficiente", avaliou.

Campos Neto afirmou que o mercado está focado em como serão os programas de vacinação, embora alguns países, como o Brasil, enfrentem uma segunda onda, com aumento no número diário de casos e óbitos em decorrência da doença.

"A segunda onda não atinge nem de perto o dano causado pela primeira onda [no mundo] porque tivemos um exercício de aprendizado, onde a economia consegue se reinventar e funcionar mesmo com lockdown", afirmou.

Sobre uma possível prorrogação do auxílio emergencial, Campos Neto ponderou que o país tem pouco espaço fiscal para novas medidas e afirmou que não seria possível "sem contrapartida".

"Tudo tem um custo, para gerar mais gastos é preciso ter medidas restritivas do outro lado. Toda medida fiscal quando nasce é meritória, parece um bom gasto e o que era de curto prazo acaba virando de longo prazo e fica permanentemente", disse.
Campos Neto afirmou ainda que novas medidas fiscais de combate à pandemia podem gerar um efeito contrário ao que se espera na economia. "Sempre falamos da assimetria do balanço de riscos com mais fiscal e com o nosso nível de dívida. É preciso ver se de fato estou gerando o que eu quero", ponderou.

Em seu ponto de vista, como a dívida pública está em níveis muito elevados, se o governo gerar mais gastos, pode aumentar o prêmio de risco, quando o mercado entende que há chances de o país não ter condições de honrar seus compromissos, o que pode afetar a inflação e a curva de juros.

"Ao invés de gerar um efeito expansionista [de estímulo à economia], gera um efeito contracionista. Passamos do ponto de inflexão, então sem contrapartida não terá esse efeito expansionista", analisou.

Veja também

Aplicativo do Bradesco tem instabilidade
Economia

Aplicativo do Bradesco tem instabilidade

Aeroporto do Recife passa por obras de revitalização
Aviação

Aeroporto do Recife passa por obras de revitalização