Presidente do BC relata preocupação com fuga de capital estrangeiro durante crise do coronavírus

A declaração foi feita durante reunião com o setor agrícola nesta quinta-feira (14)

Presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos NetoPresidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, mostrou preocupação com a saída de capitais estrangeiros do país em razão da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus.

A declaração foi feita durante reunião com o setor agrícola nesta quinta-feira (14),
Segundo apresentação feita por Campos Neto aos participantes, publicada no site do BC, o Brasil é um dos mais afetados com a fuga de investidores a ativos mais seguros durante a crise.

Em consequência, o real foi a moeda mais desvalorizada entre economias desenvolvidas e emergentes desde o início do ano, com queda de 31,9%.

Leia também:
Falta de cédulas trava auxílio, e BC pede impressão de R$ 9 bi
Governo inclui autonomia do BC e Lei de Falência como pautas positivas na Câmara até junho


Quando há crise, investidores buscam ativos mais seguros, com baixa volatilidade, e aplicam em títulos americanos.

Assim, as outras moedas, principalmente de países emergentes, tendem a se desvalorizar.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e representantes do setor agrícola participaram da reunião por videoconferência, organizada pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Campos Neto ressaltou também que o crescimento do risco já se reflete no mercado de juros.

Em gráfico, mostrou que o CDS (Credit Default Swap) brasileiro aumentou em 232,8 pontos desde o início do ano. O indicador é um termômetro nível de risco dos títulos do país.

O cenário apresentado pelo presidente do BC aos representantes do setor agrícola é de forte recessão. Ele destacou que o mercado já prevê queda de mais de 4% no PIB (Produto Interno Bruto).

O governo nesta quarta-feira (13) revisou o PIB, com queda de 4,7% neste ano. Antes, a previsão era de alta de 0,02%.

Em contrapartida, Campos Neto ressaltou que o Brasil foi o país que mais injetou liquidez no sistema financeiro, com 16,7% do PIB, e ficou em segundo lugar em suporte ao crédito, com 16,5% do PIB, atrás da Argentina, com 18,3%.

A apresentação do presidente do BC trouxe dados de concessão de novos créditos entre 16 de março (data do endurecimento de medidas de restrição e de isolamento) e 8 de maio.

Os números mostram que dos R$ 378,1 bilhões emprestados no período, R$ 216,9 bilhões (57,36%) foram para grandes empresas.

Do total de novos financiamentos, apenas 20,2%, o equivalente a R$ 76,5 bilhões, saíram de bancos públicos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Vendas do comércio sobem 0,6% com volta às aulas em fevereiro, diz IBGE
Economia

Vendas do comércio sobem 0,6% com volta às aulas em fevereiro, diz IBGE

Comércio varejista cresce 0,6% em fevereiro, diz IBGE
Economia

Comércio varejista cresce 0,6% em fevereiro, diz IBGE