Economia

Presidente do BC relata preocupação com fuga de capital estrangeiro durante crise do coronavírus

A declaração foi feita durante reunião com o setor agrícola nesta quinta-feira (14)

Presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos NetoPresidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, mostrou preocupação com a saída de capitais estrangeiros do país em razão da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus.

A declaração foi feita durante reunião com o setor agrícola nesta quinta-feira (14),
Segundo apresentação feita por Campos Neto aos participantes, publicada no site do BC, o Brasil é um dos mais afetados com a fuga de investidores a ativos mais seguros durante a crise.

Em consequência, o real foi a moeda mais desvalorizada entre economias desenvolvidas e emergentes desde o início do ano, com queda de 31,9%.

Leia também:
Falta de cédulas trava auxílio, e BC pede impressão de R$ 9 bi
Governo inclui autonomia do BC e Lei de Falência como pautas positivas na Câmara até junho


Quando há crise, investidores buscam ativos mais seguros, com baixa volatilidade, e aplicam em títulos americanos.

Assim, as outras moedas, principalmente de países emergentes, tendem a se desvalorizar.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e representantes do setor agrícola participaram da reunião por videoconferência, organizada pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Campos Neto ressaltou também que o crescimento do risco já se reflete no mercado de juros.

Em gráfico, mostrou que o CDS (Credit Default Swap) brasileiro aumentou em 232,8 pontos desde o início do ano. O indicador é um termômetro nível de risco dos títulos do país.

O cenário apresentado pelo presidente do BC aos representantes do setor agrícola é de forte recessão. Ele destacou que o mercado já prevê queda de mais de 4% no PIB (Produto Interno Bruto).

O governo nesta quarta-feira (13) revisou o PIB, com queda de 4,7% neste ano. Antes, a previsão era de alta de 0,02%.

Em contrapartida, Campos Neto ressaltou que o Brasil foi o país que mais injetou liquidez no sistema financeiro, com 16,7% do PIB, e ficou em segundo lugar em suporte ao crédito, com 16,5% do PIB, atrás da Argentina, com 18,3%.

A apresentação do presidente do BC trouxe dados de concessão de novos créditos entre 16 de março (data do endurecimento de medidas de restrição e de isolamento) e 8 de maio.

Os números mostram que dos R$ 378,1 bilhões emprestados no período, R$ 216,9 bilhões (57,36%) foram para grandes empresas.

Do total de novos financiamentos, apenas 20,2%, o equivalente a R$ 76,5 bilhões, saíram de bancos públicos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Associação que assiste doentes de fígado passa a receber doações pelo Imposto de Renda
Solidariedade

Associação que atende doentes de fígado recebe doações pelo IR

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho
Energia Elétrica

Aneel mantém bandeira tarifária verde para o mês de junho para todos os consumidores