Economia

Pressionado por alimentos, IPC-Fipe tem alta de 0,48% em outubro

Em setembro, a inflação medida pelo indicador ficou em 0,39%

Alimentos "in natura" registraram elevação de 6,45%Alimentos "in natura" registraram elevação de 6,45% - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, fechou outubro com alta de 0,48%. Em setembro, a inflação medida pelo indicador ficou em 0,39%.

O grupo da alimentação teve a maior alta (1,21%). Os alimentos in natura registraram elevação de 6,45%. O tomate subiu 59,69% no mês e a batata teve alta de 18,53%. Também tiveram altas expressivas o limão (13,48%) e o pimentão (15,52%). Os alimentos industrializados tiveram alta de 0,47% e alimentação fora do domicílio de 0,26%.

Os gastos com transportes registraram um aumento de 0,54%. Contribuíram para o resultado a alta de 1,66% da gasolina e de 5,14% do etanol. Os valores relacionados ao transporte público ficaram estáveis.

Leia também
Mercado reduz a 4,40% estimativa de inflação para 2018
Inflação do aluguel é de 10,79% em 12 meses
Dólar fecha o mês com queda acumulada de 7,80%
Dólar cai a R$ 3,69; Ibovespa tem alta de 3,69%

O grupo habitação teve elevação de 0,16%. Os custos para manutenção do domicílio tiveram alta de 0,25% e com aluguel de 0,22%. Os valores relacionados a energia elétrica subiram 1,08%. Os gastos com saúde tiveram alta de 0,36% sob influência da inflação de 0,70% dos contratos de assistência médica.

Os grupos de educação e vestuário tiveram pequenas variações, com altas de 0,04% e 0,06% respectivamente. As despesas pessoais tiveram elevação de 0,22%, com alta de 0,77% dos artigos de higiene e beleza.

Veja também

Lira diz que projeto que limita ICMS da conta de luz será votado na próxima semana
Congresso

Lira diz que projeto que limita ICMS da conta de luz será votado na próxima semana

"Era da Escassez" já começou. O que isso significa? Uma economia global US$ 1,6 tri menor
Cenário da globalização

"Era da Escassez" já começou. O que isso significa? Uma economia global US$ 1,6 tri menor