Previdência tem deficit recorde de R$ 268,8 bilhões em 2017, diz governo

O governo argumenta que a perspectiva de aumento do deficit da Previdência é insustentável e, por isso, é necessária a reforma nas regras de aposentadoria

Agência do INSSAgência do INSS - Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

A Previdência Social registrou um deficit recorde de R$ 268,8 bilhões em 2017, considerando os resultados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do regime dos servidores públicos da União. O deficit do INSS foi de R$ 182,5 bilhões no ano passado -o maior rombo da série histórica, que começa em 1995. O deficit teve um avanço de 21,8% em relação a 2016, quando o rombo foi de R$ 149,7 bilhões.

O resultado, contudo, foi melhor do que a estimativa do governo divulgada em dezembro, de um resultado negativo em R$ 185,8 bilhões. O aumento do deficit foi muito maior na área urbana do que na rural. O rombo da Previdência urbana subiu 54,7% em relação a 2016 e chegou a R$ 71,7 bilhões. Na área rural, o avanço foi de 7,1% e o deficit atingiu 110,7 bilhões no ano passado.

Leia também:
Decisão do STJ ajuda na tramitação da reforma da Previdência, diz líder
Reforma reduz valor da aposentadoria


O secretário de Previdência, Marcelo Caetano, afirmou que a Previdência rural é "estruturalmente deficitária". De acordo com as regras atuais, um trabalhador rural pode se aposentar se conseguir comprovar o tempo necessário de atividade rural, ainda que não tenha feito contribuições ao INSS.

Servidores
O resultado do regime dos servidores da União apresentou um deficit de R$ 86,3 bilhões em 2017. Esse número considera o deficit de R$ 45,2 bilhões no regime dos servidores civis e o resultado negativo de R$ 37,7 bilhões no sistema dos militares. O deficit restante, de R$ 3,4 bilhões, refere-se ao pagamento de outros benefícios, como pensões especiais.

Em 2016, o rombo no regime dos servidores federais -considerando civis e militares- somou R$ 77,2 bilhões. Na comparação com o ano anterior, o aumento do deficit foi de 20,3% para os civis e de 10,6% no sistema das Forças Armadas.

Reforma
O governo argumenta que a perspectiva de aumento do deficit da Previdência é insustentável e, por isso, é necessária a reforma nas regras de aposentadoria. O texto que tramita no Congresso muda tanto a Previdência dos servidores públicos quanto a dos segurados do INSS. A expectativa do governo é votar a proposta de alteração da Constituição no plenário da Câmara em fevereiro.

Marcelo Caetano afirmou que a proposta de reforma da Previdência é "preventiva" e citou exemplos de países que tomaram medidas mais impactantes. "A reforma da Previdência é essencial. [...] A opção pelo não enfrentamento dessa realidade vai implicar no futuro que, de repente, tenha que se fazer como Portugal, Grécia, fizeram, onde se reduziu valores de benefícios pagos. A proposta atual é para tomar atitudes preventivas de modo que esse cenário não venha a se repetir no Brasil", disse o secretário.

Para 2018, o governo projeta um deficit de R$ 192,8 bilhões no INSS. Caetano adiantou que o número deve "sofrer revisões", mas não disse se o rombo será menor que esse patamar.

O deficit do INSS pode ter uma redução de R$ 5 bilhões a R$ 6 bilhões em relação ao projetado para 2018 se a reforma for aprovada pelo Congresso até meados de março, de acordo com o governo. Em dez anos, a expectativa de economia gira em torno de R$ 500 bilhões, segundo as mudanças do texto mais recente.

Para o regime dos servidores, o governo espera uma economia de cerca de R$ 88 bilhões em dez anos, conforme a Folha de S.Paulo informou. O governo não divulgou o impacto das mudanças no regime dos servidores em 2018. De acordo com o secretário, o efeito é muito pequeno.

Questionado sobre a possibilidade de facilitar as regras previstas no texto atual para servidores que ingressaram até 2003, o secretário disse que "não há, por parte do governo, qualquer compromisso de alteração na emenda aglutinativa". Ele reconheceu, contudo, que o Congresso pode fazer alterações.

Pela última proposta, esses servidores teriam que esperar até os 65 anos (no caso de mulheres, até 62 anos) para ter direito à integralidade do benefício e paridade (reajuste igual ao de servidores da ativa). "O ideal é que haja aprovação da reforma o quanto antes para que tema não retorne no período eleitoral", disse Caetano.

Veja também

Governo Federal anuncia nova fase do Pronampe
Crédito

Governo Federal anuncia nova fase do Pronampe

App de transporte brasileiro, 'Garupa' passa a atuar em Petrolina a partir deste mês
Mobilidade

App de transporte brasileiro, 'Garupa' passa a atuar em Petrolina