Procon-PE vai fiscalizar supermercados e feiras livres

Procon-PE dá início, nesta sexta-feira, à fiscalização nas redes de supermercados e feiras livres da região para coibir aumento abuso nos preços de alimentos.

Pedro EuricoPedro Eurico - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Depois de centralizar operações na fiscalização de postos de combustíveis do Grande Recife que estavam cobrando a mais no litro de diesel e gasolina, o Procon-PE dá início, esta sexta-feira (25), à fiscalização nas redes de supermercados e feiras livres da região para coibir aumento abuso nos preços de alimentos.

Leia também:
Supermercados usam medidas preventivas contra desabastecimento
Postos que venderem gasolina por mais de R$ 4,60 serão interditados
Três postos da RMR são autuados por vender gasolina a preços abusivos; veja fotos


Em coletiva realizada na tarde dessa quinta-feira (24), o Secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, afirmou que o estabelecimento comercial que praticar preço abusivo será alcançado pelos fiscais do Procon-PE. “Para garantir que a operação não seja comprometida, disponibilizei até veículos da Secretaria de Justiça para o órgão fiscalizador não ter qualquer tipo de problema de deslocamento”, ressaltou o secretário.

O gerente de fiscalização do Procon-PE, Roberto Campos, ressalta que não vai permitir que a situação de desabastecimento seja justificativa para que estabelecimentos descumpram o Código de Defesa do Consumidor (CDC) e pratiquem crime contra à economia. “Se você tem um preço praticado até sexta passada e em decorrência de um eventual desabastecimento o preço aumenta o dobro, isso não pode acontecer”, diz o gerente, que revela que várias denúncias chegaram ao órgão sobre o preço do gás de cozinha. “Estamos atentos para atuar nos distribuidores de gás de cozinha que estão cometendo essa prática ilegal e com risco de serem multados ou fechados”, acrescenta.

Sobre o aumento de preços de frutas e verduras no Ceasa, o órgão vai realizar campanha para orientar os comerciantes sobre como se portar diante do problema de desabastecimento sem que prejudiquem o consumidor. “Apesar de ser um ambiente informal, não justifica o abuso de preços”, pondera o coordenador.

Veja também

Morre Carlos Langoni, ex-presidente do BC, vítima de complicações da Covid-19
Luto

Morre Carlos Langoni, ex-presidente do BC, vítima de complicações da Covid-19

Mega-Sena: aposta única leva prêmio de R$ 43,2 milhões
Loteria

Mega-Sena: aposta única leva prêmio de R$ 43,2 milhões