Programa federal beneficia Refinaria Abreu e Lima

Rnest deve assumir papel estratégico no abastecimento do mercado interno de combustíveis

Localizada em Suape, Refinaria foi concebida para ser uma das mais modernas do PaísLocalizada em Suape, Refinaria foi concebida para ser uma das mais modernas do País - Foto: Arthur Mota

Pernambuco deve assumir um papel fundamental, nos próximos anos, no abastecimento do mercado interno de combustíveis. Isso porque, embora o Brasil possua o oitavo maior parque de refino do mundo, ainda convive com um déficit interno dos produtos e está na quinta posição entre os maiores importadores de derivados de petróleo. Neste ponto, a Refinaria Abreu e Lima - Rnest, em Suape, assume um papel estratégico como o empreendimento do País com melhores perspectivas de expansão da produção em menos tempo e com menor custo.

Apesar de todas as polêmicas relacionadas ao empreendimento, a planta de refino foi concebida para ser uma das mais modernas do País e tem grande capacidade produtiva. Tanto que, mesmo ainda inconclusa (apenas a primeira linha de refino está em funcionamento), “a Rnest já é responsável por 30% da produção nacional de diesel S-10”, detalhou o diretor de refino da Petrobras, Jorge Celestino, durante lançamento do Programa Combustível Brasil do Governo Federal, que aconteceu na última segunda-feira (20) na Federação da Indústria (Fiepe). 

A iniciativa visa estimular a livre concorrência e atrair investimentos privados para o mercado de combustíveis, que atualmente está quase que totalmente nas mãos da Petrobras. As ações passam por um redesenho amplo do setor, incluindo normas de precificação, e ainda propõe a criação de regras de acesso e desenvolvimento das infraestruturas portuárias e terminais de abastecimento de combustíveis.
“Com a Petrobras reavaliando os seus negócios, precisamos repensar o funcionamento desse mercado, estimulando a competitividade”, justificou o ministro de Minas e Energia (MME), Fernando Coelho, que veio a Pernambuco para lançar o programa.
O secretário de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do MME, Márcio Félix, acredita que essa remodelagem não reduz necessariamente a participação da Petrobras neste mercado. “Isso quem vai decidir é a companhia”, comentou.
Contudo, ele acredita que o programa pode, inclusive, contribuir para atração do parceiro privado inclusive para viabilizar a conclusão da segunda linha de refino da Abreu e Lima (Trem 2). “Estamos preparando o terreno para atrair investidores e a Rnest é a bola da vez. Mas isso cabe à Petrobras conduzir”, concluiu. O diretor da petrolífera, Jorge Celestino, não conversou com a imprensa sobre os planos da empresa.
O programa Combustível Brasil será apresentado em workshops no próximo mês, no Rio de Janeiro. Em seguida, o MME abrirá consulta pública sobre a proposta e o relatório final deve ser levado para aprovação no Conselho Nacional de Política Energética no dia oito de junho.

Veja também

Relator retira taxação de dividendo para empresa do Simples e avalia ampliar faixa de isenção
Imposto de renda

Relator retira taxação de dividendo para empresa do Simples e avalia ampliar faixa de isenção

Ministério do Trabalho e Previdência tira de Guedes decisões sobre FGTS e FAT
Trabalho

Ministério do Trabalho e Previdência tira de Guedes decisões sobre FGTS e FAT