Proposta do governo para estados 'não faz sentido', diz Meirelles

'Não sabemos qual será a duração e o tamanho da recessão. São questões que não dependem da nossa decisão. Vamos fazer um acordo com quem? Com Deus?', disse Meirelles

Henrique MeirellesHenrique Meirelles - Foto: Reprodução/Instagram

Secretário de Fazenda e Planejamento de São Paulo, o ex-ministro Henrique Meirelles afirmou que "não faz sentido" a proposta do governo federal para compensar a queda de arrecadação dos estados com a crise do coronavírus.

Ele disse que, uma vez que a dimensão e a duração da recessão são imprevisíveis, o plano não pode valer por apenas três meses e não deve prever um teto de repasses aos governos locais -como quer o ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Não sabemos qual será a duração e o tamanho da recessão. São questões que não dependem da nossa decisão. Vamos fazer um acordo com quem? Com Deus?", declarou Meirelles à reportagem. "Não podemos combinar que a pandemia só vai durar três meses. Se demorar mais, vai custar mais, não só em termos de recursos do Tesouro, mas em termos de vidas humanas."

Leia também:
Governo propõe R$ 77 bi a estados e municípios contra coronavírus
Maia desidrata projeto de socorro aos estados, mas ainda desagrada a Guedes

O secretário defendeu o projeto de socorro que foi aprovado pela Câmara na segunda-feira (13) e criticado pela equipe econômica do governo federal.

O texto determina que a União repasse recursos aos estados e municípios, por seis meses, como forma de compensação pelas perdas com o recolhimento de ICMS (imposto estadual) e ISS (imposto municipal), provocadas pela paralisação de atividades econômicas no combate ao coronavírus.

A equipe do ministro Paulo Guedes, no entanto, insiste em uma proposta que prevê uma transferência menor de recursos, por apenas três meses.

"O governo tem o direito de fazer isso. O que os estados apontam é que isso não faz sentido. Não cabe aos estados determinar que vamos encerrar o isolamento na data tal e que a economia voltará ao normal imediatamente", afirmou Meirelles.

Líderes da Câmara, onde o projeto foi aprovado por ampla maioria, calculam em R$ 80 bilhões os repasses que serão feitos nos próximos meses, mas o texto não estabelece um teto para essas compensações.

O Ministério da Economia afirma que esse modelo não dá previsibilidade aos gastos. Em caso de queda de 10% da receita, a despesa seria de R$ 30 bilhões. O desembolso subiria para R$ 85,5 bilhões em seis meses se a receita for 30% menor. Caso a arrecadação caia pela metade, o gasto seria de R$ 142,5 bilhões, nos termos do projeto aprovado pela Câmara.

O governo apresentou nesta terça um pacote alternativo de medidas, no valor de R$ 77,4 bilhões –sendo R$ 40 bilhões de repasses diretos aos estados e municípios, R$ 22,6 bilhões de suspensão de dívidas com a União e R$ 14,8 bilhões, de dívidas com bancos públicos federais.

"A crítica que se faz, de que não se sabe o valor [dos repasses], também não faz sentido", reagiu Meirelles.

"Todos estamos trabalhando pra ser o menor possível. Se durar mais, a tragédia humana será maior e a consequência econômica também. A sociedade brasileira vai ter que enfrentar. Vai aumentar a dívida? Vamos ter que enfrentar esse problema."

O secretário, subordinado ao governador João Doria (PSDB), diz considerar "correta e equilibrada" a versão de socorro aos estados aprovada pela Câmara. O texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado e pode ser vetado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"O projeto não permite um aumento das despesas dos estados. Pelo contrário, porque não aumenta o limite de crédito. Houve falatório sobre isso antes, mas os estados não propuseram isso", declarou, acrescentando que o texto veda também a concessão de subsídios fiscais pelos governos locais.

Em confronto político com Doria, o presidente Jair Bolsonaro já insinuou que não daria ajuda financeira a governadores que impuseram medidas de isolamento, com impacto sobre a economia e a arrecadação.

"Quer agora vir para cima de mim? Não, ele tem que se responsabilizar pelo que ele fez", disse Bolsonaro no dia 2 de abril, referindo-se a um pedido de compensação feito por governadores numa carta assinada por Doria. "Não vai cair no meu colo essa responsabilidade."

Meirelles defendeu as medidas de isolamento e disse que as consequências econômicas também são negativas para os estados. "Ninguém tomou uma atitude simplesmente pela vontade de diminuir a atividade econômica. Elas foram necessárias para proteger a população", afirmou.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Morre Roberto Mergulhão, proprietário do restaurante La Fondue, vítima de Covid-19
Luto

Morre Roberto Mergulhão, proprietário do restaurante La Fondue, vítima de Covid-19

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em agosto
Economia

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em agosto