Prorrogação de pagamento de precatórios de empresas avança no Senado

A prorrogação vale para os entes subnacionais que estavam com precatórios atrasados em março de 2015

Plenário do SenadoPlenário do Senado - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou nesta terça-feira (8) uma proposta que prorroga até o final de 2028 o prazo para que estados e municípios possam pagar débitos vencidos e a vencer relacionados a precatórios de pessoas jurídicas.

A prorrogação vale para os entes subnacionais que estavam com precatórios atrasados em março de 2015. O prazo atual para esse pagamento termina em dezembro de 2024.
A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) foi apresentada pelo senador José Serra (SP) e é relatada por Antonio Anastasia (MG), ambos do PSDB. Com o resultado na CCJ, a PEC segue agora para análise do Plenário do Senado.

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), afirmou nesta terça que a expectativa é que a análise no Plenário ocorra na quarta-feira (9). Tebet disse na segunda-feira (7) que os líderes do Senado chegaram a um acordo sobre o tema, com o objetivo de dar mais fôlego fiscal para estados e municípios.

A senadora alegou ainda que, ao limitar o alcance da PEC apenas aos precatórios de empresas, os senadores focam nos "grandes valores" e preservam indenizações menores devidas a pessoas físicas.

Leia também:
Senado convida ministros para falar de suspensão de radares
Senado aprova limite de gastos para campanha nas eleições de 2020


"São grandes valores, para dar um fôlego aos cofres dos estados e municípios. Preservando o cronograma das pessoas físicas, que têm direito às suas indenizações e que estão na fila do precatório para receber", concluiu a senadora na segunda-feira.

Depois da votação no Plenário do Senado, a PEC ainda precisa ser apreciada na Câmara dos Deputados. Segundo disse Anastasia em seu parecer, a prorrogação "facilita a execução dos planos de pagamento de precatórios e o processo de ajuste fiscal."

"A extensão do prazo de vigência do regime especial de pagamento de precatórios até 2028 garante aos estados, Distrito Federal e municípios um imprescindível alívio de liquidez até 2024. Essa providência beneficia, mormente, os entes da federação em apuros para custear a prestação a contento de serviços públicos essenciais nas áreas da educação, saúde e segurança pública, inclusive o pagamento em dia da folha de pagamento dos respectivos servidores públicos", concluiu o parlamentar.

Veja também

TJPE libera realização de provas de Concurso Público em Gravatá
Justiça

TJPE libera realização de provas de Concurso Público em Gravatá

Carrefour anuncia que vai deixar de usar seguranças terceirizados
Serviço nas lojas

Carrefour anuncia que vai deixar de usar seguranças terceirizados