Qualificação profissional é um dos entraves para a expansão da indústria

Nível atual dos equipamentos também está entre os gargalos

Deixa ClarearDeixa Clarear - Foto: Mariah Almeida/Divulgação

 

A expansão da indústria pernambucana na última década trouxe para o Estado grandes empreendimentos e criou oportunidades de trabalho em atividades mais qualificadas. A grande geração de empregos, somada à maior exposição da produção local a mercados competitivos ainda inexplorados, impôs um desafio aos setores econômicos: o ganho de produtividade. Pernambuco tem em média 64% da produtividade nacional, de acordo com último levantamento da Consultoria Econômica e Planejamento - Ceplan, de 2010. No caso da indústria de transformação, essa relação é de 56% - um número que revela a baixa competitividade frente ao mercado nacional e, sobretudo, nas relações comerciais exteriores.

Na comparação com outros mercados nacionais mais industrializados, Pernambuco fica para trás. A Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe) calcula a seguinte relação: cada trabalhador de São Paulo produz mais do que quatro trabalhadores pernambucanos. O componente histórico aprofunda essas distâncias, aponta o presidente da Fiepe, Ricardo Essinger. “Nosso mercado era muito fechado até pouco tempo. Mas os investimentos recentes abriram nosso olhar para o mercado internacional, que exige um alto nível de competitividade”, contextualizou.

Há dois entraves principais para o aprofundamento do abismo produtivo em Pernambuco. Primeiro a qualificação da mão de obra local. “Quando você tem uma força de trabalho bem preparada no sentido educacional, isso dá qualidade ao profissional e ao processo produtivo”, opina o economista Jorge Jatobá, acrescentando que esta também é uma realidade nacional.

Outra questão levantada por Essinger é a defasagem de equipamentos das indústrias. Com a crise econômica e a produção industrial em baixa, a capacidade de investimentos dos negócios encolheu. Para se ter ideia, apenas de julho para agosto de 2016, a produção da indústria pernambucana recuou 2,7%, segundo levantamento do IBGE. No acumulado do ano, a retração chega a 14%, ante igual período do ano anterior.

Depois de investir R$ 31 milhões em uma recente expansão da fábrica, com aquisição de novos maquinários, a Bemis, uma das maiores empresas de embalagens plásticas do mundo - com uma unidade em funcionamento em Suape, espera reduzir em 60% as perdas e aumentar em 15% a produtividade na fábrica de Suape. “É preciso foco em eficiência operacional, treinamentos e equipamentos”, comentou o diretor de Operações da Bemis, Manoel Padula.

Em outras palavras, o ga­nho de produtividade envolve diretamente custos. “Para mantermos esse índice positivo nos preocupamos em oferecer as melhores condições de trabalho e equipamentos”, diz o diretor da ASA Indústria, com fábricas localizadas em Pernambuco, Wagner Mendes.

A inovação é a maior fonte de produtividade, mas sozinha ela não resolve o problema, avalia o economista e sócio diretor da Ceplan, Jorge Jatobá. “Há outros fatores envolvidos nessa equação brasileira e pernambucana, como a infraestrutura ruim, a burocracia e uma legislação onerosa para o empresariado. Tudo isso compromete esse indicador”, argumenta. “É preciso mudanças sistêmicas: uma infraestrutura melhor preparada de estradas, transporte público, energia, relações trabalhistas mais saudáveis, tudo isso influencia não somente no desempenho da indústria, mas também no comércio e em serviços. Além disso, devemos apostar em segmentos nos quais podemos ser mais competitivos. O caso do setor naval em Pernambuco, por exemplo, foi uma decisão equivocada”, acrescenta.

 

Veja também

Mais de 3 mil reeducandos de Pernambuco participam de programa de empregabilidade
Oportunidade

Mais de 3 mil reeducandos de Pernambuco participam de programa de empregabilidade

Em 'modo eleições', governo já admite reforma tributária para 2021
Reforma Tributária

Em 'modo eleições', governo já admite reforma tributária para 2021