trabalho

Quer fugir do rush do feriado? Semana de trabalho "de qualquer lugar" ganha adeptos nas empresas

Novo modelo híbrido prevê que funcionários tenham direito a alocar um período maior durante o ano, que varia de duas a quatro semanas, para trabalharem 100% remotos

Home OfficeHome Office - Foto: Divulgação

Véspera de feriado é sempre uma dor de cabeça para quem precisa pegar a estrada ou planeja voar para curtir a folga. Os preços das passagens aéreas nas altura também assustam na hora de reservar um voo para a alta temporada.

Mas, para muitas empresas americanas, no pós-pandemia, um novo modelo de regime híbrido começa a ganhar força e parece sob medida para momentos como este. Em vez de adotar o clássico dois ou três dias no escritório e os demais no trabalho remoto, estas companhias implantaram a "semana de qualquer lugar".

Funciona assim: os funcionários têm direito a, em determinados momentos do ano, alocar um período maior - que varia de duas a quatro semanas - para trabalharem de qualquer lugar do mundo, ou seja, estarem 100% remotos.

Rob Sadow, diretor executivo da Scoop Technologies, uma empresa que rastreia as políticas de trabalho remoto em mais de quatro mil empresas, diz que essa prática tem ganhado cada vez mais força entre as empresas.

As principais companhias de serviços financeiros, como American Express, Visa e Mastercard, e algumas gigantes da tecnologia como o Google. É uma maneira de melhorar o clima no escritório e reter talentos cada vez mais escassos.

Algumas empresas adotam uma abordagem mais estruturada. Embora não tenha tornado a prática como uma política oficial, o Citigroup, no ano passado, permitiu que seus funcionários trabalhassem remotamente nas últimas duas semanas de agosto e dezembro.

Na Freddie Mac, empresa que atua em hipotecas imobiliárias, as semanas devem ser usadas não consecutivamente.

"As empresas que ouvimos implementar "semanas de trabalho de qualquer lugar" muitas vezes o fazem ao mesmo tempo em que começam a aumentar a exigência de retorno ao escritório, assim, conseguem reduzir a resistência dos funcionários" disse Sadow.

Esses acordos visam fornecer mais liberdade, especialmente em feriados importantes e na movimentada temporada de viagens do verão no Hemisfério Norte, enquanto são mantidas recomendações mais amplas de retorno ao escritório.

É uma maneira econômica de atrair e reter funcionários.

"Para trabalhadores com pais, familiares e amigos em regiões ou países distantes, isso pode significar um mês inteiro juntos" disse o professor da Harvard Business School, Prithwiraj Choudhury, que estuda trabalho remoto

Semana de quatro dias de trabalho é viável? Faturamento aumentou nas empresas que a adotaram

Para a Mastercard, a oferta de quatro "semanas de qualquer lugar" surgiu como uma forma de baixo custo - juntamente com outros agrados aos funcionários, como dias sem reuniões e sextas-feiras flexíveis - para a empresa se diferenciar como empregadora.

"Se funcionou antes, funciona agora" destaca o diretor de pessoal da Mastercard, Michael Fraccaro, sobre trabalhar remotamente, às vezes em locais distantes, durante a pandemia.

Responsabilidades continuam
Obviamente, a vantagem vem com considerações práticas: os funcionários precisam ajustar sua rotina para diferentes fusos horários, e a empresa deixa claro que os indivíduos são responsáveis por entender as implicações fiscais que podem advir do trabalho fora de seu país de origem. E há um elemento de confiança implícito no acordo.

"Você pode trabalhar em Bali por quatro semanas. Mas ainda esperamos que você se apresente (para o trabalho)" afirma Fraccaro.

Para empresas que lutaram com a transição para híbrido de totalmente remoto, o ideal é estabelecer normas claras, ressalta Caitlin Duffy, diretora da consultoria Gartner.

Muitos funcionários ainda não têm certeza de quanta flexibilidade é permitida nas políticas híbridas, e a conformidade tem sido, na melhor das hipóteses, incompleta: mais de 40% dos líderes de RH entrevistados pela consultoria Gartner disseram que seus funcionários não estão atendendo aos requisitos de comparecimento.

Enquanto isso, a fiscalização permaneceu frouxa, com poucas empresas (ou gerentes) dispostas a reprimir com muita severidade.

Volta ao presencial mais palatável
Oferecer um determinado número de "semanas de trabalho de qualquer lugar" pode permitir que as empresas acomodem o desejo de flexibilidade ao longo do ano sem se comprometer com um futuro totalmente remoto, como empresas como o Airbnb têm feito.

Para a fundadora e diretora executiva da empresa de relações públicas Relevance International , Suzanne Rosnowski , duas semanas "de qualquer lugar" juntamente com uma programação híbrida de três dias por semana surgiram como um compromisso lógico com sua equipe sobre como fazer a transição de volta ao escritório após a pandemia.

"Demonstramos que trabalhar em casa pode ser produtivo, mas também demonstramos que muito trabalho em casa pode ser contraproducente, pelo menos para nossa agência" disse ela.

Veja também

Meta e Apple discutem parceria em inteligência artificial, diz Wall Street Journal
TECNOLOGIA

Meta e Apple discutem parceria em inteligência artificial, diz Wall Street Journal

Grandes usinas solares igualam capacidade da hidrelétrica de Itaipu
energia limpa

Grandes usinas solares igualam capacidade da hidrelétrica de Itaipu

Newsletter