Economia

Receita bate recorde em apreensão de mercadorias irregulares

Segundo o secretário da Receita Federal, as apreensões de mercadorias irregulares são positivas para a economia

Apreensão de cocaína no Porto de SantosApreensão de cocaína no Porto de Santos - Foto: Receita Federal/Reprodução

A Receita Federal apreendeu R$ 2,974 bilhões em mercadorias relacionadas a contrabando, descaminho e pirataria entre janeiro e novembro deste ano. Esse foi o maior resultado da história, informou nesta quinta-feira (27) o órgão. Em todo o ano de 2017, o total atingiu R$ 2,301 bilhões.

“Alcançar esses números foi possível graças à dedicação dos profissionais do órgão, que, utilizando técnicas eficientes de gerenciamento de riscos, cada vez mais direcionam as investigações para pessoas e organizações que apresentam risco de fraudes”, disse o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.

Segundo Rachid, as apreensões são positivas para a economia. “Tirar as mercadorias contrabandeadas das ruas protege o emprego dos brasileiros. Além disso, melhora o ambiente de negócios ao impedir a concorrência desleal entre produtos nacionais e os trazidos irregularmente para o território nacional”, disse, em nota.

Leia também
Polícia apreende 30 pés de maconha em casa no Cabo
Falso comércio funcionava como laboratório de refino de cocaína em Ouro Preto


Cigarros e cocaína
As apreensões de cigarros também são recordes históricos, informa a Receita. No período de janeiro a novembro a Receita Federal apreendeu 263 milhões de maços, superando o alcançado em todo o ano passado, quando foram apreendidos 222 milhões de maços.

A apreensão de drogas aumentou em 2018. A Receita destaca a quantidade de cocaína apreendida, principalmente nos portos brasileiros em trabalhos de rotina da Receita Federal. Nos meses de janeiro a novembro de 2018 foram apreendidas 29,7 toneladas de cocaína. O resultado supera o recorde anual de 2017, quando foram apreendidas 18,07 toneladas da droga.

Veja também

ANP aprova prorrogação contratual de produção de campos petrolíferos
Petróleo

ANP aprova prorrogação contratual de produção de petrolíferos

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)
Perícia médica

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)