Recessão freia a inflação

IPCA fechou abril em 0,14%. Nos 12 meses encerrados em abril, o índice ficou em 4,08%, abaixo do centro da meta de 4,5% pela primeira vez nos últimos sete anos.

JurosJuros - Foto: Arte FolhaPE

A recessão tem cada vez mais pressionado para baixo o índice oficial de inflação no País, o IPCA. Questões pontuais, como a melhora do preço dos alimentos, o vilão da inflação no ano passado, e quedas na conta de luz e da gasolina ajudaram a desacelerar ainda mais o índice em abril. O IPCA fechou abril em 0,14%. Nos 12 meses encerrados em abril, o índice ficou em 4,08%, abaixo do centro da meta de 4,5% pela primeira vez nos últimos sete anos. O índice oficial de inflação de abril foi divulgado essa quarta (10) pelo IBGE.

A crise econômica, o desemprego e o alto endividamento dos brasileiros contribuem para a redução do consumo de produtos e serviços pela população, o que tira a pressão dos preços. Em agosto do ano passado, a inflação em 12 meses estava em 8,97%. A partir daquele mês, a taxa anualizada iniciou trajetória de desaceleração constante. O componente dos alimentos, que ajudou a manter a inflação alta no ano passado a despeito da recessão, não se manteve neste ano. Questões climáticas prejudicaram a safra em todo o País em 2016, o que elevou o preço dos alimentos e da ração animal, deixando mais caras as carnes e o leite.

Neste ano, porém, o País verificou um fenômeno chamado de "supersafra", com maior produtividade, o que fez cair o preço de diversos itens que pesam no bolso do brasileiro. Os dois fatores -recessão e menor pressão de alimentos- explicam a trajetória do indicador.

Menor abril do Real
O IPCA de abril foi o menor para o mês desde o Plano Real (1994). Influenciaram os preços da energia elétrica, que recuaram 6,39%, e da gasolina, que caíram 1,95%. Os dados vieram em linha com o que esperava o mercado. Analistas preveem que a inflação feche o ano em torno de 4%. A melhora dos índice de preços, dizem analistas, abre espaço para cortes maiores na taxa básica de juros, hoje em 11,25%. "A gente não poderia passar impunemente pela maior recessão da história sem que houvesse esse movimento forte de freio da inflação", disse Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.

Simultaneamente à queda da inflação, o Banco Central tem promovido corte dos juros. Em situações normais da economia, a redução na taxa básica poderia estimular o consumo e, por sua vez, pressionar a inflação. Para Vale, há espaço para queda dos juros a patamares de um dígito. "Não há esse risco no Brasil porque as indústrias estão com capacidade ociosa muito grande e o desemprego continua alto. É difícil prever uma alta na inflação com a retomada da economia."

Para o analista Marcio Milan, da consultoria Tendências, a expectativa é que a inflação não registre grandes alterações ao longo do ano, quando considerada em 12 meses. A partir de agosto, disse ele, quando as indústrias começam a se preparar para as vendas de fim de ano e alguns produtos entram na entressafra, o indicador pode sofrer pressão, mas nada forte.

Veja também

País tem saldo positivo no emprego formal em 2020, mas não recupera vagas perdidas na pandemia
Economia

País tem saldo positivo no emprego formal em 2020, mas não recupera vagas perdidas na pandemia

Atraso na análise do Orçamento põe em risco verba para educação
Fundeb

Atraso na análise do Orçamento põe em risco verba para educação