Refinaria Abreu e Lima sofre com falta de manutenção; veja fotos

Já é possível perceber tanques com sinais de ferrugem, placas descascadas, vias de acesso esburacadas, mato alto e cheio de lixo e o sindicato diz que alguns ewquipamentos internos também precisam de manutenção

Falta de manutenção na Refinaria Abreu e Lima (Rnest)Falta de manutenção na Refinaria Abreu e Lima (Rnest) - Foto: Jose Britto/Folha de Pernambuco

A ausência dos 1,2 mil trabalhadores demitidos na segunda-feira (10) evidenciou os sinais da falta de manutenção da Refinaria Abreu e Lima (Rnest), já denunciada pelos petroleiros. Do lado de fora do empreendimento, já é possível perceber tanques com sinais de ferrugem, placas descascadas, vias de acesso esburacadas, mato alto e cheio de lixo - inclusive com embalagens de óleos lubrificantes abandonadas.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo de Pernambuco e da Paraíba (Sindipetro-PE/PB), a situação também não é das melhores no interior do refinaria, mas a Folha de Pernambuco não foi autorizada a cruzar os portões do estacionamento para conferir a situação.

Leia também:
Justiça bloqueia recursos da Qualiman
Demitidos por WhatsApp, trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima fazem ato
Obra da Refinaria Abreu e Lima para, e 1.200 são demitidos
Fogo: Sindipetro cobra prevenção na Refinaria
Incêndio paralisa parte da Refinaria Abreu e Lima; veja vídeo


“Recebemos denúncias de trabalhadores de que equipamentos estão no limite. Afinal, a refinaria opera há quatro anos e tem necessidade de uma parada para manutenção”, revelou o coordenador do Sindipetro-PE/PB, Rogério Almeida, dizendo que os problemas começaram até a causar acidentes. Na semana passada, por exemplo, a unidade de Coqueamento Retardado (U-21) pegou fogo. E o sindicato alega que a falta de manutenção pode ter sido a causa do incêndio.

A situação estaria degradando os equipamentos que farão parte do segundo trem de refino - estrutura que vai dobrar a capacidade da Rnest, mas cujas obras estão paradas há anos. “Os equipamentos ainda não foram instalados e estão ao relento, desgastando-se e correndo o risco de provocar acidentes quando forem colocados em funcionamento”, revelou Almeida.

A Petrobras garantiu que “a Rnest opera em condições de segurança pautadas por padrões internacionais”. A estatal afirmou que “pode haver aparentes desgastes, sem no entanto acarretar risco à segurança das operações e da força de trabalho” apenas nas partes que ainda não foram concluídas e estão inativas. 

Veja também

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão