Reforma da Previdência não será mais votada este ano, garante relator

Relator da reforma da Previdência, Arthur Maia garantiu, no 17º Fórum do Lide, no Paiva, que o projeto não será votado este ano

Arthur MaiaArthur Maia - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Relator da Reforma da Previdência, o deputado federal Arthur Maia (DEM-BA) reforçou que o projeto não será mais votado este ano. A afirmação foi feita durante o 17° Fórum Empresarial do Lide, que acontece nesta sexta-feira (17) em Pernambuco, na Praia do Paiva. Ele disse que, agora, a única perspectiva é cobrar dos candidatos à Presidência da República uma posição clara sobre a aceitação do projeto que visa à alterar as atuais regras de aposentadoria no País.

Leia também:
Texto da reforma deve ser aproveitado em 2019, diz secretário da Previdência
Alckmin diz que irá priorizar Previdência
Reforma da Previdência poderá ser mais profunda no próximo governo, diz relator


"A reforma ainda não foi aprovada porque a sua comunicação é problemática. É difícil comunicar tanta coisa. Mas houve avanços porque conseguimos convencer muita gente de que a reforma necessária. É possível avançar com mais facilidade agora. Então, agora devemos cobrar dos candidatos uma posição clara", afirmou Maia, parabenizando os presidenciáveis presentes no evento (Flávio Rocha, Paulo Rabello de Castro e Álvaro Dias) pelo apoio à pauta.

O parlamentar ainda disse que o próximo presidente pode aproveitar o projeto que está na Congresso Nacional. Ele lembrou também que o projeto inicial já passou por uma série de modificações.  "Era um projeto duro", avaliou o relator, que apresentou os principais pontos do seu parecer. São eles: idade mínima para a aposentadoria (65 anos para homens e 62 para mulheres), igualdade de regra entre o regime público e o privado, regras especiais para categorias como policiais, proibição de acúmulo de pensão e aposentadoria a partir de dois salários mínimos e regras de transição. 

Veja também

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão