A-A+

Reforma tributária não precisa esperar Previdência, diz relator

A reforma tributária é considerada uma pauta mais difícil para a discussão

Relator da reforma tributária na CCJ, João RomaRelator da reforma tributária na CCJ, João Roma - Foto: Divulgação/PRB

O relator da reforma tributária na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), João Roma (PRB-BA), diz que não é preciso esperar a tramitação da mudança nas regras da Previdência para avançar com uma nova proposta de mudança constitucional.

"Isso revela um protagonismo do Congresso", disse em entrevista à Folha de S.Paulo.
Ele diz não ter sido procurado por integrantes do governo para tratar da proposta, que começará a ser debatida já nesta terça-feira (14) na Câmara.

A equipe econômica, porém, queria aguardar para não encavalar dois assuntos difíceis. Apesar de relatar a reestruturação do sistema tributário, Roma defende que a proposta da Previdência seja feita antes."Tem muitas discussões que ocorrem em paralelo no Parlamento", afirmou. 



Leia também:
Reforma tributária é pauta positiva que compensa a Previdência, diz deputado
Reforma tributária começa neste ano com fusão de impostos, diz Guedes

A tributária, porém, é considerada a reforma mais difícil. Historicamente, a ideia esbarra em interesses e termina com ajustes pontuais no sistema, como ocorreu desde a redemocratização.

O seu relatório será pela admissibilidade total da PEC?
Roma - Sim. Eu ainda não concluí, mas eu penso que sim, por tudo que eu observei. A minha intenção é apresentar na próxima terça-feira [14].

Acelerar a tramitação da reforma tributária não vai atrapalhar a da Previdência?
Roma - Eu não vejo que dificulta, até porque, apesar de sabermos que a reforma mais importante para o Brasil é a reforma da Previdência, igualmente importante é a tributária. Eu acho que elas podem, sim, estar tramitando. Mas acho correto que primeiro se vote a reforma da Previdência para depois votar a tributária.

A comissão especial da Previdência precisa terminar para formar a comissão da reforma tributária?
Roma - Não. Tem muitas discussões que ocorrem em paralelo no Parlamento.

Isso não é o Congresso querer comandar uma discussão que o governo queria fazer?

Roma - Isso revela, sim, um protagonismo do Congresso na agenda que enxerga como mais importante para os brasileiros. Isso eu acho, inclusive, que é salutar. Eu verifico com muito gosto isso na fala do presidente Jair Bolsonaro, de alguns ministros, de que o Congresso precisa ser protagonista das ações, não apenas dizer amém para as vontades do governo. Assim como o presidente foi eleito, o Congresso também foi e tem legitimidade.

O governo já sabia da intenção da Câmara de dar início à PEC da reforma tributária. O Palácio do Planalto ou interlocutores de Bolsonaro fizeram contato com o sr.?
Roma - Não. Não fui procurado pelo governo para tratar do assunto da reforma tributária. Apenas fui convidado pelo deputado Felipe Francischini (PSL-PR), que é presidente da CCJ, que viu nossa ação, viu a forma dinâmica como enfrentei outros relatórios.

Então, o governo não está tendo participação nesta proposta?
Roma - Eu tive contato com líderes do governo no Congresso, mas ninguém falou comigo sobre a reforma tributária. Chegamos numa situação em que tanto o Legislativo como governo federal estão, em regras gerais, em sintonia no caminho de simplificar a estrutura tributária brasileira e diminuir o peso fiscal nos ombros do cidadão.

A tramitação para a reforma tributária vai ser mais fácil que a da Previdência?
Roma - A reforma da Previdência é um assunto que gera, digamos, muita disputa ideológica e política. No caso da tributária, existe mais convergência do que divergência.

Caso a tributária seja aprovada, não é um recado de que o Congresso não precisa do governo para articular projetos? Uma demonstração de força?

Roma - Sem dúvida, facilita o trânsito internamente na Casa ser iniciativa própria. Por outro lado, o Congresso, apesar de ter demonstrado já nesse início que consegue impor sua própria pauta, há um distencionamento, a articulação tem melhorado.

Tem mesmo? Porque o governo sofreu derrota nesta semana com Medida Provisória da reforma ministerial.

Roma - Coisas pontuais ocorrem, é natural que existam pautas específicas. A da 870 foram sobre dois pontos específicos, e era uma medida que contava com mais de 50 pontos, que tinha mais de 500 emendas apresentadas. O congresso serve para ser um ente regulador, uma caixa de marcha.

O sr. acha que é possível votar o relatório já na próxima semana?
Roma - Temos expectativa sim de votar na próxima semana, mas é bem provável que haja pedido de vista.

Não haverá nenhum tipo de aumento de imposto?
Roma - Essa é a premissa. Mas não confundir aumento de imposto com aumento de arrecadação. Uma vez que o sistema seja simplificado, mais abrangente e mais justo socialmente, isso será salutar para o Brasil e naturalmente com maior atividade econômica, é natural que possa ocorrer até quem sabe um incremento de receita para o governo. Uma coisa é o peso de arrecadação do cidadão, e outra o poder de receita do governo.  

Veja também

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto
economia

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

MP de combustíveis pode confundir consumidor, diz diretor da Ipiranga
combustível

MP de combustíveis pode confundir consumidor, diz diretor da Ipiranga