A-A+

Relator espera usar economia com Previdência para bancar emprego Verde e Amarelo

Os novos cálculos contemplam os efeitos da aprovação final da Reforma da Previdência, um cenário de inflação menor e economia com o fim de benefícios irregulares

Programa Verde e AmareloPrograma Verde e Amarelo - Foto: Agência Brasil

A nova proposta de Orçamento de 2020 reservou R$ 1,5 bilhão para financiar o programa Verde e Amarelo, de incentivo à contração de jovens.

Em mensagem modificativa ao Orçamento enviada ao relator, o governo Jair Bolsonaro (sem partido) reduziu em R$ 3,6 bilhões a projeção de gastos com a Previdência em 2020, para R$ 677,7 bilhões.

Os novos cálculos contemplam os efeitos da aprovação final da Reforma da Previdência, um cenário de inflação menor e economia com o fim de benefícios irregulares.

Leia também:
Bolsonaro teme derrota e avalia projeto de lei para programa Verde e Amarelo
Debate sobre carteira Verde e Amarela divide opiniões na Câmara


Desse valor, R$ 1,5 bilhão, segundo o relator do Orçamento, foi destinado a financiar a desoneração de contratações de jovens em busca do primeiro emprego.
Em 2020, o governo espera deixar de arrecadar cerca de R$ 1,15 bilhão com a medida.

Portanto, a revisão nas despesas previdenciárias pode compensar essa perda de receita com o programa, mas não funciona como uma forma de financiamento para sustentar o novo tipo de contrato de trabalho.

A iniciativa retira ou reduz obrigações patronais da folha de pagamento para contratar jovens de 18 a 29 anos com remuneração de até um salário mínimo e meio (R$ 1.497).

Para compensar o custo do programa, o governo criou uma taxação de 7,5% sobre o seguro-desemprego, o que intensificou a resistência de congressistas ao novo tipo de contratação. Essa cobrança é um dos itens cuja legalidade é contestada por técnicos do Congresso.

No entanto, a resistência que a ideia criou junto a parlamentares fez com que o governo desistisse de taxar o seguro-desemprego. Com receio de uma dura derrota política, Bolsonaro avalia apresentar um projeto de lei que substitua a medida provisória que criou o programa Verde e Amarelo.

A alternativa considerada pelo núcleo político do Planalto seria uma forma de solucionar um impasse que ameaça criar um constrangimento ao presidente.

Em 2015, durante embate entre Poderes, o então presidente do Congresso, Renan Calheiros (MDB-AL), devolveu uma MP editada pela então presidente, Dilma Rousseff (PT), que também reduzia encargos sobre patrões para tentar estimular a criação de empregos.

Veja também

Reajuste salarial perde para inflação em quase 70% dos acordos fechados em setembro
emprego

Reajuste salarial perde para inflação em quase 70% dos acordos fechados em setembro

Ala política do governo vê em debandada no time de Guedes tentativa de atrapalhar drible no teto
ministério da economia

Ala política do governo vê em debandada no time de Guedes tentativa de atrapalhar drible no teto