A-A+

Relator quer taxar dividendo e tornar 13º do Bolsa Família permanente

Segundo cálculos de técnicos do Congresso, essa medida poderia elevar a arrecadação entre R$ 97 bilhões e R$ 124 bilhões neste ano

Bolsa FamíliaBolsa Família - Foto: Ana Nascimento/CCE

Para bancar a ampliação de benefícios no Bolsa Família e no BPC (pago a idosos carentes e deficientes), o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), relator da medida provisória que instituiu a 13ª parcela do Bolsa Família no ano passado, propôs a cobrança de Imposto de Renda sobre a distribuição de lucros e dividendos.

Segundo cálculos de técnicos do Congresso, essa medida poderia elevar a arrecadação entre R$ 97 bilhões e R$ 124 bilhões neste ano. Esse dinheiro, de acordo com a previsão, seria distribuído entre União (51%) e estados e municípios (49%).

O relatório, entregue nesta terça-feira (4), mas que só deve ser lido na quarta (5), propõe a incidência da alíquota de 15% para os lucros ou dividendos pagos ou creditados pelas pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real, presumido ou arbitrado.

Leia também:
Começa nesta segunda-feira pagamento do Bolsa Família
Expansão do Bolsa Família para mais pobres corre risco de falta de dinheiro

A proposta enfrenta resistência no Congresso e há expectativa do governo de que ela caduque. Ela perde a validade no dia 24 de março.

Hoje, os lucros e dividendos não estão sujeitos à incidência do Imposto de Renda na fonte, nem integram a base de cálculo do imposto de renda do beneficiário.

A medida provisória foi editada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para viabilizar o pagamento da 13ª parcela aos beneficiários do Bolsa Família no ano passado.

Parlamentares, contudo, querem aproveitar a proposta para aprovar um pacote de bondades à população mais carente.

Atendendo a emendas, Rodrigues propôs que o 13º do Bolsa Família se torne permanente, o que força o governo a elevar o orçamento do programa já para 2020. Além disso, o relatório prevê que o valor pago pelo Bolsa Família passe a ser corrigido automaticamente pela inflação. Essa obrigação não existe atualmente.

O relator também quer que idosos carentes e deficientes possam receber um 13º do BPC –benefício no valor de um salário mínimo.

Técnicos do Congresso estimam que essas medidas tenham um impacto de R$ 8,68 bilhões por ano. Somente o 13º do BPC representa um aumento de R$ 5 bilhões por ano nos gastos públicos.

Integrantes do governo são contrários a essas benesses incluídas na medida provisória, pois o Orçamento está pressionado por despesas obrigatórias e está no limite do teto de gastos.

Para tentar aprovar o aumento de benefícios, o relator, portanto, fez sugestões de financiamento da ampliação no Bolsa Família e do BPC.

O orçamento do Bolsa Família em 2020 é de R$ 29,5 bilhões, bem abaixo dos R$ 32,5 bilhões desembolsados no ano passado. O governo ainda estuda como ampliar a verba do programa para pagar a 13ª parcela neste ano, que ainda não está garantida.

Veja também

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto
Ibovespa

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro
Tesouro nacional

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro