Renegociações de dívidas com bancos quase quintuplicam em menos de dois meses

A renegociação de contratos faz parte de uma medida anunciada em março pela Febraban e que consistia em adiar os vencimentos de dívidas de clientes pessoas físicas e micro e pequenas empresas por até 60 dias

Banco do Brasil  Banco do Brasil  - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O volume de contratos renegociados nos bancos quase quintuplicou em pouco mais de um mês e meio. Segundo dados da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) as instituições financeiras renegociaram 9,7 milhões de acordos -o equivalente a um saldo devedor de meio trilhão de reais (R$ 550 bilhões)- de 1º de março a 22 de maio.

O último levantamento feito pelos bancos, em 7 de abril, registrava 2 milhões de pedidos de renegociação de dívidas, que respondiam por R$ 200 bilhões. A renegociação de contratos faz parte de uma medida anunciada em março pela Febraban e que consistia em adiar os vencimentos de dívidas de clientes pessoas físicas e micro e pequenas empresas por até 60 dias. Com a extensão da crise ante a pandemia do coronavírus, alguns bancos estenderam o prazo de carência para 180 dias.

Leia também:
Concessões de crédito atingem quase R$ 1 trilhão, diz Febraban
Bancos terão limite para remunerar acionistas até o fim do ano, decide CMN

O adiamento dessas dívidas é tratado pelos bancos como uma renegociação de contratos. O acordo vale para acordo vigentes e com pagamento em dia. Caso o banco queira estender o benefíciopara contratos atrasados, pode fazê-lo. Mas isso depende dos critérios estabelecidos por cada banco. Ainda segundo a Febraban, as concessões totais de crédito para o período -incluindo contratações, renovações e suspensão de parcelas- somam R$ 914,2 bilhões no período.

O número inclui as concessões totais do sistema financeiro entre março e abril de R$ 692,1 bilhões, divulgadas na última quinta-feira (28) pelo Banco Central, e outros R$ 222,1 bilhões contabilizados pela Febraban no mês até 22 de maio, e que consideram apenas as operações no segmento livre de crédito.

Segundo a federação, a taxa de juros total média caiu 1,6 p.p. (ponto percentual) entre fevereiro e março, para 21,5%. O spread bancário (diferença entre o custo de captação e a taxa cobrada no empréstimo) caiu 1,4 p.p., para 17,2 p.p..

Veja também

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa
Estatal

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores
Negócios

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores