Rio de Janeiro pode ter falta de água em razão de greve de caminhoneiros

Em nota, a Companhia de Água e Esgoto do Rio de Janeiro disse que o estoque de produtos químicos usados no tratamento de água está se reduzindo, sem a reposição por parte dos fornecedores em razão da greve.

Abastecimento de água Abastecimento de água  - Foto: Agência Brasil

A Cedae (Companhia de Água e Esgoto do Rio de Janeiro) pediu nesta quinta-feira (24) que moradores do estado economizem água em razão de possível redução na produção causada pela greve de caminhoneiros.

Em nota, a empresa disse que o estoque de produtos químicos usados no tratamento de água está se reduzindo, sem a reposição por parte dos fornecedores em razão da greve.
"Devido aos bloqueios de carretas nas estradas em todo Brasil, o governo do estado e a
Cedae estão em contato com os fornecedores de produtos químicos e órgãos competentes a fim de evitar que haja atrasos e interrupção no fornecimento dos mesmos e, dessa forma, visa garantir o tratamento de água nas estações operadas pela Companhia", diz a nota.

Leia também:
Devido à greve dos caminhoneiros, Celpe prioriza atendimentos de emergência
Greve só termina com sanção de alíquota zero do PIS-Cofins, diz Associação Brasileira dos Caminhoneiros

"No momento, a dificuldade de entrega está causando baixa no estoque dos produtos químicos. A Cedae permanecerá agindo para que suas atividades de produção continuem sem interrupção, no entanto, pede à população que economize água até que seja restabelecida a normalidade na entrega dos produtos químicos necessários e fundamentais ao tratamento", afirma a empresa.

Veja também

Grandes empresas pedem que governo antecipe prazo para zerar emissões de poluentes
Meio Ambiente

Grandes empresas pedem que governo antecipe prazo para zerar emissões de poluentes

Fundador do Google entra em seleta lista de pessoas com mais de US$ 100 bilhões
Fortuna

Fundador do Google entra em seleta lista de pessoas com mais de US$ 100 bilhões