Risco de interferência política é página virada, diz presidente da Vale

A proposta de pulverizar o capital da companhia foi apresentada em fevereiro, pouco antes do aniversário de 20 anos da privatização da empresa

Com a grande adesão de investidores minoritários à proposta de reorganização societária da Vale, o presidente da companhia, Fabio Schvartsman, disse nesta segunda-feira (14) que o risco de interferência política na empresa é "página virada".

Na sexta-feira (11), a companhia anunciou que detentores de volume equivalente a 84,4% das ações preferenciais aceitaram a conversão para ações ordinárias, primeira fase da reestruturação que vai transformar a Vale em uma empresa sem controlador.

Nesta segunda (14), a Vale conclui a segunda etapa, que é a incorporação da Valepar -holding que detém o controle da mineradora, composta por Bradesco, BNDES, Mitsui e fundos de pensão.

Em um primeiro momento, os acionistas da holding terão 44% das ações da empresa -fatia que pode ser reduzida a 41% com a adesão dos minoritários que não se manifestaram no prazo de conversão. Eloes terão que manter seus papeis por um prazo de seis meses.

"A partir desta noite, a Vale será uma empresa sem controlador", disse Schvartsman, em teleconferência com a imprensa. "Esse assunto de interferência do governo eu considero resolvido", afirmou.

"Esse assunto é página virada. O governo agora, como acionista minoritário, é tão bom, tão correto e tem que ser tratado como qualquer outro acionista", respondeu, ao ser questionado novamente sobre o tema.

A proposta de pulverizar o capital da companhia foi apresentada em fevereiro, pouco antes do aniversário de 20 anos da privatização da empresa, que ocorreu em junho de 1997.

A ideia, segundo os controladores, é elevar os níveis de governança da empresa, que deve migrar para o novo mercado da bolsa de São Paulo (B3).

Ao reduzir o poder de voto dos fundos de pensão e do BNDES, o processo também é visto como uma blindagem a interferências políticas na gestão da mineradora.

Schvartsman disse que a companhia estuda acelerar o processo de migração para o novo mercado. Para isso, precisa encontrar uma saída para os acionistas que mantiveram os papéis preferenciais.

"Não sabemos neste momento o que fazer, mas só posso dizer que teremos que dar um tratamento justo a eles", afirmou, acrescentando que os advogados da companhia estão trabalhando no tema.

Veja também

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF
Seguro

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF