Economia

Rombo de União, Estados e municípios fica R$ 52,6 bi abaixo da meta em 2017

O resultado veio tão abaixo da meta para o ano porque as receitas demoraram a reagir, se recuperando apenas a partir do segundo semestre

Edifício sede do Banco Central do BrasilEdifício sede do Banco Central do Brasil - Foto: Jonas Pereira / Agência Senado

A União, Estados e municípios tiveram um rombo de R$ 110,5 bilhões no ano passado, resultado R$ 52,6 bilhões abaixo da meta, de R$ 163,1 bilhões para União, Estados e municípios. Superavit ou deficit primário é o quanto de despesa ou receita o governo gera, após a quitação de seus gastos, sem considerar os pagamentos com os juros da dívida.

O resultado das contas públicas, que vem sendo influenciado pelo rombo crescente da Previdência, é divulgado de duas maneiras. A primeira divulgação, informada pelo Tesouro Nacional nesta terça-feira (30), leva em conta a economia ou despesa apenas da União, enquanto a segunda, divulgada pelo Banco Central nesta quarta (31), leva em consideração o saldo de todo o setor público (União, Estados, municípios e estatais).

Leia também:
Dívida pública pode alcançar até R$ 3,98 trilhões em 2018
Contas do governo têm superavit de R$ 1,3 bilhão em novembro


Os dados informados pelo BC mostram que o resultado do Tesouro, Banco Central e Previdência foi negativo em R$ 118,4 bilhões, enquanto os Estados tiveram um superavit de R$ 6,8 bilhões. Municípios e empresas estatais tiveram resultados positivos de, respectivamente, R$ 601 milhões e R$ 362 milhões.

Abaixo da meta
O resultado veio tão abaixo da meta para o ano porque as receitas demoraram a reagir, se recuperando apenas a partir do segundo semestre. Quando a arrecadação começou a crescer, o que permitiria aumentar as despesas, não houve tempo para a apresentação de projetos que permitissem a execução de recursos.

Além disso, o governo contou com uma série de receitas extraordinárias, como o leilão das hidrelétricas, e houve um forte esforço do governo para a contenção de gastos. No ano passado, os gastos com investimentos, por exemplo, somaram R$ 46,2 bilhões -em percentual do Produto Interno Bruto (PIB), isto é, 0,7%, a rubrica fica abaixo do nível registrado em 2006. A Previdência teve um rombo de R$ 182,4 bilhões no ano passado.

Dívida
A dívida líquida do setor público fechou o ano em R$ 3,3 trilhões, ou 51,6% do PIB, alta de 0,6 ponto percentual em relação a novembro. Já a dívida bruta fechou o ano em R$ 4,8 trilhões, 74% do PIB, uma redução de 0,2 ponto percentual na comparação com novembro.

Veja também

Entrega de declarações do Imposto de Renda 2022 ultrapassa 22 milhões
Receita Federal

Entrega de declarações do Imposto de Renda 2022 ultrapassa 22 milhões

Contas públicas ficam positivas em R$ 4,3 bi em março, diz BC
Banco Central

Contas públicas ficam positivas em R$ 4,3 bi em março, diz BC