NEGÓCIOS

Sam Altman acumulou fortuna de US$ 2 bilhões sem contar com ações da OpenAI, criadora do ChatGPT

Grande parte da riqueza do empresário está em uma rede de fundos de capital de risco e investimentos em startups, e deve crescer com o IPO do Reddit, onde ele aparece entre os maiores acionistas

Sam Altman, CEO da OpenAISam Altman, CEO da OpenAI - Foto: Andrew Caballero-Reynolds/AFP

Sam Altman tornou-se o rosto da inteligência artificial por meio de seu papel como CEO da OpenAI. Mas sua riqueza vai muito além da startup que criou o ChatGPT.

O executivo de 38 anos vale pelo menos US$ 2 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index, que está avaliando sua fortuna pela primeira vez. Esse valor não inclui nenhuma participação acionária na OpenAI, que foi recentemente avaliada em US$ 86 bilhões. Altman afirmou várias vezes que não possui ações da empresa.

Em vez disso, grande parte de sua riqueza rastreável está em uma rede de fundos de capital de risco e investimentos em startups, e deve crescer com a Oferta Pública Inicial (IPO) do Reddit, onde ele aparece entre os maiores acionistas. Procurado pela Bloomberg, Altman não quis comentar.

Leia também

• Justiça proíbe Meta de usar marca no Brasil após pedido de empresa

• Musk processa OpenAI por "trair" missão fundacional da empresa

• Vale: perguntas e respostas sobre a sucessão no comando da empresa


Altman viaja pelo mundo todo pregando sobre a inteligência artificial, usando seu púlpito para inspirar e aterrorizar com suas previsões sobre o que a tecnologia prevê para as eleições, a arte, a educação, as economias e a sociedade em geral.

Como o ChatGPT da OpenAI turbinou a alta do mercado de ações, seu perfil cresceu - e seu mais recente período sob os holofotes incluiu episódios de intriga e controvérsia. Elon Musk, cofundador da OpenAI, processou Altman e a startup na última quinta-feira por violar sua missão de fundação ao priorizar o lucro em vez de beneficiar a humanidade.

No fim do ano passado, Altman foi repentinamente afastado da OpenAI depois que a diretoria disse que ele não tinha sido "consistentemente sincero em suas comunicações" - mas ele foi reintegrado dias depois. Os órgãos reguladores estão agora estudando suas mensagens internas como parte de uma investigação sobre se os investidores foram enganados, informou o Wall Street Journal.

As fontes de sua riqueza são relativamente obscuras. Altman investe em uma série de empresas de capital fechado, como a Neuralink, de Musk, que não divulgam sua participação exata e não são incluídas no cálculo de patrimônio da Bloomberg.

A maior parte de seu patrimônio líquido rastreável vem de US$ 1,2 bilhão investido em um conjunto de fundos de capital de risco com variações do nome Hydrazine Capital, de acordo com registros regulatórios e estimativas da Bloomberg. Ele tem mais US$ 434 milhões em fundos na Apollo Projects, que investe em "moonshots", de acordo com seu site.

Alguns desses fundos de capital de risco estão entre as entidades afiliadas a Altman que detêm 8,7% do Reddit, o popular site de painéis de mensagens que entrou com pedido de IPO na semana passada. A oferta poderia avaliar a empresa em até US$ 6,5 bilhões, informou o Wall Street Journal na sexta-feira. Isso proporcionaria um ganho inesperado para os fundos, que têm uma participação mais do que o dobro do tamanho do cofundador do Reddit, Steve Huffman.

Altman também esbanjou dinheiro em duas startups menos conhecidas. Ele liderou uma rodada de investimentos de US$ 500 milhões na empresa de fusão nuclear Helion Energy, em 2021, e investiu US$ 180 milhões na Retro Biosciences, que está trabalhando para prolongar a vida humana média em 10 anos.

"É muita coisa. Basicamente, peguei todo o meu patrimônio líquido e o coloquei nessas duas empresas - contou Altman à MIT Technology Review no ano passado".

Dias na Y Combinator
Em 2005, Altman se juntou a Huffman e ao fundador do Reddit, Alexis Ohanian, no primeiro grupo da incubadora de startups Y Combinator. Naquela época, ele estava trabalhando em uma empresa de geolocalização chamada Loopt, que acabou sendo um fracasso relativo para o agora famoso programa de empreendimentos, quando foi adquirida por pouco mais do que arrecadou.

Nova ‘bolha pontocom’? Disparada de ações de ‘big techs’ como Nvidia traz temor de otimismo exagerado com IA. Analistas opinam

Esse foi apenas o início do relacionamento de Altman com a YC e suas startups afiliadas. Ele se tornou presidente da incubadora em 2014 e apoiou algumas das empresas mais conhecidas que passaram pela aceleradora YC, incluindo a Instacart.

Um perfil da New Yorker de 2016 citou um sócio da YC que disse que Altman "saiu e fez outra coisa paralelamente, da qual não soubemos por um tempo". Mais tarde, foi a YC Research que apoiou a OpenAI.

Altman deixou a YC em 2019 para se tornar CEO da OpenAI, que ele co-fundou como uma organização sem fins lucrativos vários anos antes. Posteriormente, a empresa adicionou uma estrutura com fins lucrativos com um limite de pagamentos financeiros aos investidores.

Em depoimentos e entrevistas no Congresso, Altman disse que não possui participação acionária na empresa. Embora alguns funcionários tenham recebido uma compensação semelhante a ações, chamada de unidades de participação nos lucros, Altman também não as possui, disse o porta-voz da empresa, Steve Sharpe, em uma declaração enviada por e-mail.

Sharpe também disse que Altman não receberá nenhum benefício financeiro do OpenAI Startup Fund, que arrecadou US$ 175 milhões para participar de empresas de inteligência artificial em estágio inicial. Embora os registros regulatórios mostrem que Altman possui mais de 75% do fundo, ele não investiu seu próprio dinheiro e não lucrará com seus ganhos, de acordo com Sharpe.

Veja também

Governo quer que Petrobras aguarde antes de subir preço dos combustíveis por crise no Oriente Médio
Crise no Oriente Médio

Governo quer que Petrobras aguarde antes de subir preço

Salário mínimo em 2028 é de R$ 1.772, esclarece secretário do Orçamento
Salário

Salário mínimo em 2028 é de R$ 1.772, esclarece secretário do Orçamento

Newsletter