Samsung diminui em 33,3% previsões de lucros após fiasco do Galaxy Note 7

Dois meses após o lançamento, a marca sul-coreana aconselhou seus clientes a desligarem o dispositivo devido ao alto risco de explosão

A Casa de VeraneioA Casa de Veraneio - Foto: Imovision/Divulgação

O gigante sul-coreano Samsung Electronics rebaixou nesta quarta-feira (12) em 33,3% suas previsões de lucros para o terceiro trimestre, com o objetivo de refletir as consequências do fracasso do Galaxy Note 7, cuja produção foi suspensa.

Nesta terça-feira (11), o maior fabricante de smartphones em nível mundial oficializou um de seus maiores fracassos comerciais ao anunciar que interromperá a produção de seu "phablet", uma mistura entre telefone celular e tablet, que deveria ser seu produto estrela.

Dois meses após o lançamento do aparelho, a marca sul-coreana também aconselhou seus clientes a desligarem o dispositivo devido ao alto risco de explosão, uma eventualidade que provocou comoção nas redes sociais depois que muitos usuários divulgaram imagens de telefones carbonizados.

No terceiro trimestre, a empresa prevê agora um resultado operacional de 5,2 trilhões de wons (4,17 bilhões de euros), contra 7,8 trilhões de wons anunciado na sexta-feira.

O grupo diminuiu igualmente suas previsões de volume de negócios em 4%, a 47 trilhões de wons.

A Samsung esperou que a bolsa de Seul estivesse fechada para divulgar as novas previsões. No fechamento do mercado, as ações da marca baixaram 0,65%.

Na terça-feira, a empresa sofreu a maior queda de suas ações em apenas um dia, com uma redução de 8% de seus títulos. O grupo perdeu 15,4 bilhões de wons de sua capitalização na bolsa.

A empresa emitiu um comunicado para pedir aos seus sócios que parem de vender o telefone de última geração e aos usuários que o desliguem.

- Problemas no processador? -
Em agosto, a Samsung adiantou o lançamento do aparelho para poder competir no mercado de alta gama com sua grande rival, a marca americana Apple.

Mas a ação teve um alto custo, já que o fabricante foi forçado a ordenar no dia 2 de setembro um recall em escala mundial de 2,5 milhões de unidades do Note 7, depois que alguns aparelhos pegaram fogo durante o carregamento de suas baterias.

O grupo indicou que a origem da falha era a bateria de lítio, mas alguns responsáveis da marca sugeriram que o problema poderia ser procedente do processador, que foi adaptado para que a bateria se carregasse mais rápido, indicou o jornal Financial Times, citando fontes anônimas.

No entanto, agora está em xeque a capacidade da marca para enfrentar a crise, já que, enquanto a convocação para recall parecia um incidente normal, o surgimento de problemas nos telefones substituídos representou outro golpe duro para a marca.

As imagens de telefones carbonizados que inundaram as redes sociais de todo o mundo nas últimas semanas foram uma grande humilhação para um grupo que se vangloria de ser o campeão da inovação e da qualidade.

Veja também

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil
Moeda

Banco Central registra recorde de remessas de dólares para Brasil

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz
Arroz

Bolsonaro se irrita com homem que pediu para baixar preço do arroz