SBT suspende entrevista com Meirelles no 'Programa do Ratinho'

Emissora disse que a entrevista poderá ser levada ao ar "assim que a votação da reforma da Previdência puder ser retomada.

Henrique Meirelles, ministro da FazendaHenrique Meirelles, ministro da Fazenda - Foto: Reprodução/ Facebook

A direção do canal SBT suspendeu a transmissão da entrevista com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que iria ao ar nesta segunda-feira (19) durante o "Programa do Ratinho".

"O tema central da entrevista seria a votação da reforma da Previdência e, como a tramitação da reforma está suspensa em função da decretação da Intervenção na Segurança no Estado do Rio de Janeiro, sua divulgação perdeu objeto neste momento", afirmou a emissora em nota.

Leia também:
Governo anuncia plano B para economia após desistir de Previdência
Não tem plano B para reforma da Previdência, afirma Meirelles


O SBT disse ainda que a entrevista poderá ser levada ao ar "assim que a votação da reforma da Previdência puder ser retomada." O governo do presidente Michel Temer admitiu pela primeira vez que não conseguirá votar a reforma previdenciária pelo menos até a eleição presidencial.

Em entrevista à imprensa nesta segunda, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou que a proposta está suspensa e que, na melhor das hipóteses, poderá ser retomada em novembro. Segundo ele, o Palácio do Planalto concluiu que não há segurança jurídica para revogar o decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro, que impede a votação de uma Proposta de Emenda Constituição (PEC).

Mais cedo, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse que não fazia sentido ter feito uma intervenção se for para extingui-la com o objetivo de votar a reforma previdenciária. "Se for para fazer uma intervenção e chamar a todos nós e, daqui a cinco dias, dizer que foi um equívoco porque precisa votar matéria A ou matéria B, não teria sentido ter feito a intervenção", disse o senador.

Com o adiamento da reforma, o governo apresentou uma lista de propostas para a área econômica a serem tocadas ainda neste ano. Segundo Meirelles, não se trata apenas de uma agenda fiscal. Estão na lista: reforma do PIS/Cofins, autonomia do Banco Central, lei geral das agências reguladoras, reoneração da folha de pagamento, mudanças no cadastro positivo e distrato, entre outras medias que dependem do Congresso.

Veja também

BNDES antecipa voto em assembleia da JBS para pressionar por ação contra irmãos Batista
Economia

BNDES antecipa voto em assembleia da JBS para pressionar por ação contra irmãos Batista

Estado com poucos cadastros sociais teve menos auxílio
Auxílio Emergencial

Estado com poucos cadastros sociais teve menos auxílio