Economia

Se quiserem Parlamentarismo, mudem a Constituição, diz general Heleno

Em mensagens nas redes sociais, o general da reserva confirmou que se referia aos congressistas quando disse, na terça-feira (18), que o Executivo não pode "aceitar esses caras chantageando a gente"

Augusto Heleno Augusto Heleno  - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, criticou nesta quarta-feira (19) o Poder Legislativo e ressaltou que a postura de deputados e senadores "contraria os preceitos de um regime presidencialista".

Em mensagens nas redes sociais, o general da reserva confirmou que se referia aos congressistas quando disse, na terça-feira (18), que o Executivo não pode "aceitar esses caras chantageando a gente". A afirmação foi flagrada em transmissão ao vivo da Presidência da República.

O ministro fazia referência à tentativa de um acordo entre Planalto e Congresso sobre os recursos do chamado orçamento impositivo. Pelo pacto esboçado, o Executivo perderá o controle sobre cerca de R$ 20 bilhões do orçamento deste ano.

A negociação teve como objetivo evitar que congressistas ficassem responsáveis pela alocação de um valor maior, que chegaria a R$ 31 bilhões."Isso, a meu ver, prejudica a atuação do Executivo e contraria os preceitos de um regime presidencialista. Se desejam o Parlamentarismo, mudem a Constituição. Sendo assim, não falarei mais sobre o assunto", afirmou Heleno.

Leia também:
General Heleno diz que Bolsonaro é alvo de 'parlamentarismo branco' na discussão sobre Orçamento
General Heleno diz que é uma vergonha militar da sua patente receber salário líquido de R$ 19 mil

Nesta quarta-feira, o militar disse que a sua opinião se refere ao que chamou de "insaciáveis reivindicações de alguns parlamentares por fatias do orçamento impositivo". Ele ressaltou que os pedidos reduzem o orçamento do Poder Executivo.

O diálogo foi flagrado durante conversa do general com os ministros Paulo Guedes (Economia) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). Apesar de o vídeo ter sido feito pela própria Presidência da República, o militar classificou o flagra com um "lamentável episódio de invasão de privacidade".

"Ressalto que a opinião é de minha inteira responsabilidade e não é fruto de qualquer conversa anterior, seja com o presidente seja com outros ministros", disse.
Em dezembro, o Congresso aprovou uma alteração na Lei de Diretrizes Orçamentárias para garantir que o governo fosse obrigado a executar as emendas de autoria do relator-geral do Orçamento, deputado Domingos Neto (PSD-CE), no valor de R$ 30,1 bilhões. Também seria obrigatório o empenho de R$ 687 milhões em emendas de comissões temáticas da Câmara e do Senado.

Essa alteração na lei foi vetada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas o Legislativo ameaçou derrubar o veto. Para evitar uma derrota, o Planalto tenta acertar que ao menos R$ 11 bilhões de custeio para a máquina pública fiquem sob controle do governo.

No Legislativo, no entanto, um grupo de congressistas ainda insiste em ficar com a gestão de R$ 30 bilhões do total de R$ 80 bilhões do orçamento que, pelas projeções, está livre para ser gasto em 2020.

Veja também

Caixa paga hoje Auxílio Brasil para cadastrados com NIS terminado em 2BRASIL

Caixa paga hoje Auxílio Brasil para cadastrados com NIS terminado em 2

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira (19) prêmio estimado em R$ 16 milhõesLOTERIA

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira (19) prêmio estimado em R$ 16 milhões