Economia

Seca no Nordeste será mais grave no começo do ano

Governo prevê maior estiagem entre fevereiro e abril, o que é ruim para os produtores de PE

Agreste e Sertão já sofrem com a falta  de chuvas por seis  anos consecutivosAgreste e Sertão já sofrem com a falta de chuvas por seis anos consecutivos - Foto: Alfeu Tavares/arquivo folha

 

O quadro de seca no Nor­­deste deve se agravar entre os meses de fevereiro e abril, de acordo com a Previsão Climática Sazonal do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O documento reforça a preocupação com o cenário hídri­co da Região, porque a tendência é que os reservatórios não devem ter recuperação significativa durante a estação chuvosa e que as precipitações ocorram abaixo da mé­dia histórica. A notícia não é nada boa para os setores produtivos do Agreste e do Sertão de Pernambuco, que já con­vivem com a estiagem por seis anos consecutivos.

Os pesquisadores alertam para “acentuado risco” de esgotamento da água armazenada em represas e açudes somente a partir de novembro deste ano nos estados do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. “Eles já estão no plano B. E a tendência é piorar, com impactos sociais e econômicos significativos, se esse quadro se confirmar”, afirmou o coordenador-geral de Pesquisa e Desenvolvimento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), José Marengo.

O professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), José Almir Cirilo, contudo, não considera que a situação se agravará. “É que não vai melhorar, porque a perspectiva é de chuvas abaixo da média. A tendência, portanto, é que este ano ainda seja crítico”, analisou, destacando que o alívio pode vir com a entrega de obras hídricas estruturantes no Agreste do Estado. “Como a do Sistema Pirangi, que vai captar água no rio de mesmo nome, em Catende (na Mata Sul) para incrementar o Sistema do Prata (um dos mais importantes do Agreste)”, frisou. A previsão é o Governo do Estado inaugure a alternativa ainda este mês.

Diante das fracas projeções de chuvas, o presidente da Sociedade Nordestina dos Criadores (SNC), Emanuel Rocha, disse estar preparando uma pauta para apresentar ao Governo do Estado com reivindicações para o setor lácteo, um dos mais sacrificados com a estiagem. Ele ressaltou que a produção atual de leite é de 1,5 milhão de litros/dia, sendo que apenas 500 mil litros são adquiridos dos produtores da Bacia Leiteira. “De onde vem o res­to? Há um excesso de leite em pó importado e de leite longa vida de outros estados. Por isso que o preço do produto despencou”, lamentou.

Energia
Nas últimas semanas, o Centro-Oeste passou a viver um regime de racionamento de água, devido ao baixo nível do principal reservatório. José Marengo explica que a formação de nuvens de chuva se concentra na Região Sul e há a possibilidade de que elas não tenham fôlego para chegar à região central do País. Pode parecer distante, mas o setor elétrico do Nordeste depende da quantidade de água que cai por lá, onde estão as nascentes dos principais rios da Região. As bacias do Nordeste estão com 17% da sua capacidade.

 

Veja também

ANP aprova prorrogação contratual de produção de campos petrolíferos
Petróleo

ANP aprova prorrogação contratual de produção de petrolíferos

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)
Perícia médica

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)