Secretário defende congelar salário de servidor público durante crise do coronavírus

Após o agravamento da pandemia do novo coronavírus, o governo apresentou um pacote de enfrentamento da crise, que inclui a possibilidade de corte de jornadas e salários

Secretário de política econômica, Adolfo SachsidaSecretário de política econômica, Adolfo Sachsida - Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, defendeu nesta terça-feira (14) que o governo congele o salário de servidores públicos. Para ele, a medida teria um aspecto moral ao demonstrar que todos estão dando sua parcela de contribuição.

Após o agravamento da pandemia do novo coronavírus, o governo apresentou um pacote de enfrentamento da crise, que inclui a possibilidade de corte de jornadas e salários e suspensão de contratos de trabalhadores da iniciativa privada. Até o momento, porém, nenhuma medida que afete servidores públicos foi adotada pelo Executivo.

"Será que está correto algumas pessoas não perderem o emprego e manterem o salário? Um país é muito mais do que aspectos econômicos. Aspectos morais são importantes. Vamos ter que olhar com muita atenção a questão do funcionalismo público. Acho que está na hora de todos darem sua contribuição", disse em videoconferência promovida pela XP Investimentos.

Leia também:
Economia mundial terá retração de 3% em 2020 por Covid-19, diz FMI
FMI prevê queda de 5,3% da economia brasileira este ano
Mercado financeiro prevê queda de 1,96% na economia este ano

O secretário ressaltou que a folha de pessoal representa o terceiro maior gasto do governo, depois das despesas com juros da dívida e a Previdência. Ele também argumentou que o serviço público tem distorções, como os elevados salários de entrada nas carreiras. "Não é tão complicado assim você passar um ou dois anos sem reajuste. E a inflação está baixa", disse.

Nas negociações em torno do pacote de socorro a estados e municípios, o Ministério da Economia tentou condicionar a concessão de ajuda financeira ao congelamento de salário dos servidores. A medida, porém, sofre rejeição de parlamentares e não é unanimidade no governo, porque poderia gerar desgaste político em ano eleitoral.

Desde o ano passado, o governo elabora uma proposta de reforma administrativa para promover ajustes no serviço público, com corte no número de carreiras, fim da estabilidade, redução de salários de entrada e aprimoramento das avaliações de desempenho. Diante de resistências do Congresso e do presidente Jair Bolsonaro, o texto ficou em compasso de espera nas gavetas do ministério. A crise do coronavírus suspendeu totalmente essa negociação.

Na videoconferência desta terça, Sachsida ainda afirmou que a recuperação da economia após a crise "realmente preocupa". Segundo ele, se um número elevado de empresas quebrarem agora, a retomada no futuro será dificultada. O secretário disse que empresas desvalorizadas na bolsa passam a ter restrições de acesso ao crédito. Isso porque, com avaliação de patrimônio menor, as garantias para empréstimos e financiamentos também ficam menores. Ele ressaltou, porém, que o conjunto de medidas adotado pelo governo busca mitigar esses efeitos da crise.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Fiat revela interior do novo Pulse; SUV estreou no BBB21
FMotors

Fiat revela interior do novo Pulse; SUV estreou no BBB21

Volkswagen investe 900 milhões de dólares em carros elétricos
FMotors

Volkswagen investe 900 milhões de dólares em carros elétricos