RENOVABIO

Seminário marca o 1º ato da RenovaBio 2030

A expectativa é que seja montado um cronograma de trabalho para criar um balanço energético de oferta e demanda sobre os combustíveis renováveis.

Luiz Inácio Lula da SilvaLuiz Inácio Lula da Silva - Foto: Reprodução/Facebook

 

A primeira ação do programa RenovaBio 2030, iniciado esta semana pelo Ministério de Minas e Energia (MME), será um seminário, em Brasília, marcado para o dia 8 de dezembro com a presença dos ministros Fernando Coelho Filho, do MME; Blairo Maggi, da Agricultura; Marcos Pereira, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; e Henrique Meirelles, da Fazenda; além de vários interlocutores do setor de biocombustíveis. A expectativa é que seja montado um cronograma de trabalho para criar um balanço energético de oferta e demanda sobre os combustíveis renováveis.

Um dos participantes do encontro será o presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Pernambuco (Sindaçúcar-PE), Renato Cunha, que falará sobre a importância da regionalização do abastecimento do etanol. “O MME passa a criar um programa especifico para o etanol e biocombustíveis com finalidades veiculares dentro do ministério, estudando e procurando criar estruturação para a produção e fornecimento de etanol até 2030”, comentou Cunha. Outros participantes são o especialista Plínio Nastari, da Datagro e do Conselho Nacional de Pesquisa Energética; Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura; André Rocha, presidente do Fórum Nacional Sucroenergético (FNS); e da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), de São Paulo, que abordará a perspectiva do abastecimento de etanol até 2030.
O objetivo do RenovaBio é garantir a expansão da produção baseada na previsibilidade, compatível com o crescimento do mercado e em harmonia com os compromissos brasileiros assumidos na COP21, dentre os quais, está a meta de aumentar a participação dos biocombustíveis na matriz energética veicular do País. O programa vai discutir maneiras de melhorar a situação do setor sem a concessão de incentivos fiscais.

 O ministério já ouviu algumas entidades representantes e, após se reunir com todas, vai realizar também uma consulta pública para então decidir os passos que serão dados.

 

Veja também

Fusão de PIS e Cofins eleva carga em relação ao PIB
Economia

Fusão de PIS e Cofins eleva carga em relação ao PIB

20% das normas federais desde a Constituição são tributárias
Economia

20% das normas federais desde a Constituição são tributárias