Economia

Senado aprova ampliação de auxílio emergencial e pagamento sem CPF

Ao todo, 80 senadores votaram a favor da medida, e não houve votos contrários

Site da Caixa para solicitar o Auxilio EmergencialSite da Caixa para solicitar o Auxilio Emergencial - Foto: Alfeu Taveres / Folha de Pernambuco

O Senado aprovou em sessão virtual na tarde desta quarta-feira (22) a ampliação de categorias a serem beneficiadas com o auxílio financeiro de R$ 600 durante o estado de calamidade decretado pela pandemia causada pelo coronavírus.

Entre os beneficiados com a medida estão motoristas de táxi e de aplicativos de transporte, pescadores, esteticistas, caminhoneiros, diaristas, garçons, artistas, associados de cooperativas de catadores de materiais recicláveis e de agricultura familiar, entre outros.

Ao todo, 80 senadores votaram a favor da medida, e não houve votos contrários. A proposta será encaminhada para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).
O texto permite ainda que homens chefes de família recebam o dobro do valor (R$ 1.200 mensais).

Leia também:
Caixa paga auxílio emergencial a 5 milhões de beneficiários
Caixa antecipa cronograma do auxílio emergencial de R$ 600; confira datas


Antes, apenas mulheres provedoras das famílias podiam acumular os valores. A proposta também permite que mães solteiras menores de 18 anos possam receber o benefício.

O projeto aprovado pelos senadores proíbe o governo federal de recusa do auxílio emergencial a quem declarar não ter CPF.

O governo se comprometeu a regulamentar o tema a fim de evitar fraudes, indicando os documentos que serão aceitos.

Os deputados previram a regularização automática dos CPFs sem cobranças bancárias.

"Não há porque se temer irregularidade para falta do CPF porque o governo tem como fazer esse controle", disse o relator da proposta, senador Esperidião Amin (PP-SC).

Pela proposta, também fica criado o Programa de Auxílio Emprego, que autoriza o Poder Executivo a pagar parte dos salários de trabalhadores (até o limite de três salários mínimos) para que eles não sejam demitidos no período seguinte à pandemia.

A medida, contudo, depende de acordos firmados entre empregadores e empregados.

"Eu espero que o senhor presidente da República não tarde em sancionar esse projeto", disse Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor da proposta que foi votada na Câmara e sofreu modificações.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Associação que assiste doentes de fígado passa a receber doações pelo Imposto de Renda
Solidariedade

Associação que atende doentes de fígado recebe doações pelo IR

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho
Energia Elétrica

Aneel mantém bandeira tarifária verde para o mês de junho para todos os consumidores