A-A+

Servidores do INSS marcam protesto para sexta-feira

O principal ponto do protesto é a possível contratação de 7.000 militares, permitida pelo decreto 10.210/2020

Agência do INSSAgência do INSS - Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de todo o país devem parar as atividades na manhã desta sexta-feira (14), em protesto contra medidas do governo Bolsonaro e por melhorias no atendimento e nos serviços prestados à população.

O principal ponto do protesto é a possível contratação de 7.000 militares, permitida pelo decreto 10.210/2020, que vem sendo chamada de "militarização do serviço público" pela categoria. Os servidores são contra, pois alegam que os militares não estariam aptos para o atendimento especializado.

Na capital paulista, a manifestação, que está sendo organizada pelas centrais sindicais, começará às 9h, em frente à agência do INSS localizada na rua cel. Xavier de Toledo, 280 (região central). Depois, os servidores devem seguir em caminhada até a Superintendência do INSS, no Viaduto Santa Efigênia, também na região central.

Leia também:
Publicada portaria que reajusta em 4,8% os benefícios do INSS
Aprovados em concurso do INSS pedem nomeação na Justiça
Secretário da Previdência estima redução de filas no INSS em 6 meses 

Segundo Moacir Lopes, diretor da Fenasps (Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social), a última audiência da categoria com o governo não avançou. "O novo presidente do INSS [Leonardo Rolim] confirmou que vão publicar medida provisória para regulamentar a contratação de servidores aposentados da União, mas insistem na tese de convocar civis e militares", afirma.

As falhas no atendimento do INSS atingem diretamente a população. Dados mostram que há 2 milhões de pedidos na fila de espera por uma resposta, dos quais 1,3 milhão aguardam há mais de 45 dias pela análise.

Os motivos da demora são a diminuição no número de funcionários, que caiu de 33 mil para 23 mil entre 2016 e 2019, além da aprovação da reforma da Previdência sem adaptação dos sistemas para que os pedidos sejam analisados de forma mais ágil.

Veja também

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto
Ibovespa

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro
Tesouro nacional

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro