Setor de biocombustíveis precisa de regras

Metas brasileiras são bem vistas por produtores de etanol, mas o vice-presidente do Fórum Nacional Sucroenergético e presidente do Sindaçúcar

A Noite do JogoA Noite do Jogo - Foto: YouTube / Reprodução

 

A confirmação da adesão da União Europeia deu mais força para que o Acordo Climático de Paris, que pretende manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC, entre em vigor, substituindo o Protocolo de Quioto. O Brasil confirmou sua adesão em setembro, quando o presidente Michel Temer sancionou lei com o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% até 2025, na comparação com os níveis registrados em 2005; e em 43% até 2030. Para isso, o acordo assinado por 197 países na Conferência do Clima ocorrida no ano passado na capital francesa estipulou que o Brasil deve restaurar uma área de 12 milhões de hectares de florestas, além de elevar para 18% o uso de biocombustíveis sustentáveis e atingir 45% de energias renováveis na matriz energética.

As metas brasileiras são bem vistas por produtores de etanol, mas o vice-presidente do Fórum Nacional Sucroenergético e presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Pernambuco (Sindaçúcar-PE), Renato Cunha, cobra esforços do governo por maior regulação. “É preciso haver uma implementação prática, com metas e cronogramas. E o que a gente vê é que a Petrobras, que se colocava como empresa de energia, agora passa para a postura voltada a tratar sobretudo de petróleo”, reclama.

E continua: “É preciso que essas regras sejam mais claras e que envolvam a competitividade dos combustíveis limpos. O acordo passa por uma descarbonização do meio ambiente, e não uma carbonização, e essa postura da Petrobras prioriza a produção de combustíveis fosseis”, acrescenta Cunha. Ainda segundo o presidente do Sindaçúcar-PE, no Nordeste, o setor emprega uma média de cinco pessoas por mil toneladas de cana-de-açúcar, o que dá um caráter social à atividade que, em muitos casos, é responsável pela economia da cidade-sede da usina e de municípios vizinhos.

 

Veja também

Redução do auxílio emergencial não vai diminuir demanda na economia, diz secretário de Guedes
economia

Redução do auxílio emergencial não vai diminuir demanda na economia, diz secretário de Guedes

Pernambuco inaugura acesso viário ao polo empresarial de Limoeiro, no Agreste
Economia

Pernambuco inaugura acesso viário ao polo empresarial de Limoeiro, no Agreste