Setor de serviços cai 1,0% em junho e tem queda mais intensa do ano

Entre os locais com resultados negativos estão Rio de Janeiro (-3,4%), São Paulo (-1,6%), Santa Xatarina (-4,9%) e Distrito Federal (-4,2%).

Setor de serviçosSetor de serviços - Foto: Elza Fiúza/Arquivo/Agência Brasil

O setor de serviços no Brasil recuou 1,0% no mês de junho, informou nesta sexta-feira (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em divulgação de sua pesquisa mensal. Foi a pior queda de 2019 até então. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o setor de serviços caiu 3,6%. No acumulado do ano, a alta é de 0,6%. Já o acumulado dos últimos meses foi para 0,7%.

O resultado é o pior para um mês junho desde 2015, quando apontou a mesma queda. De acordo com o IBGE, a retratação do mês de junho foi acompanhada por todas as cinco atividades de divulgação investigadas, o que não acontecia desde maio de 2018, mês da greve dos caminhoneiros.

"A greve dos caminhoneiros gerou um excesso de demanda em junho do ano passado, o que dá a dimensão do quão alto estava o patamar para os transportes", explica Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa. As quedas existiram nos setores de informação e comunicação (-2,6%), transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-1,0%), serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,0%), serviços prestados às famílias (-0,2%) e outros serviços (-2,3%).


Leia também:
Setor de serviços treina equipes para atender bem o público LGBT
Serviços financeiros eletrônicos ganham espaço na América Latina


Após ensaiar recuperação em abril, com avanço de 0,5% e interromper três taxas negativas seguidas (perda acumulada de 1,6%), a atividade do setor de serviços havia ficado estável (0,0%) em maio. De acordo com o IBGE, a retratação do mês de junho foi acompanhada por todas as cinco atividades de divulgação investigadas.
"Entre os setores, o ramo de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio assinalou o resultado negativo mais relevante nesse mês, mantendo, assim, o comportamento negativo desde novembro de 2018", informou o IBGE.

Se o primeiro trimestre no setor de serviços foi no vermelho, o mesmo pode se dizer da média móvel trimestral correspondente a abril, maio e junho. No período, o volume de serviços recuou 0,2%. De acordo com o IBGE, das 27 unidades da federação, 19 tiveram retratação no volume de serviços em junho de 2019. Entre os locais com resultados negativos estão Rio de Janeiro (-3,4%), São Paulo (-1,6%), Santa Xatarina (-4,9%) e Distrito Federal (-4,2%).

Veja também

STF invalida leis que regulamentam imposto sobre heranças
Economia

STF invalida leis que regulamentam imposto sobre heranças

Secretário Lucas Ramos anuncia compra de software para monitoramento da vacinação
PERNAMBUCO

Secretário Lucas Ramos anuncia compra de software para monitoramento da vacinação