Setor de serviços tem maior retração desde a crise de 2008, segundo IBGE

O setor de serviços, que responde por cerca de 70% do valor adicionado ao PIB, caiu 1,6% na comparação com o trimestre anterior

Setor de serviçosSetor de serviços - Foto: Agência Brasil/Arquivo

Pela primeira vez desde o final de 2016, o setor de serviços registrou retração, de acordo com dados do PIB (Produto Interno Bruto) divulgados nesta sexta-feira (29) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O setor de serviços, que responde por cerca de 70% do valor adicionado ao PIB, caiu 1,6% na comparação com o trimestre anterior. Foi o maior recuo desde a queda de 2,3% no quarto trimestre de 2008.

Nesse setor, têm peso relevante as atividades imobiliárias, o comércio, o setor público e as 12 atividades que compõem o grupo outros serviços, como alojamento, alimentação, educação e saúde privados, cultura e esporte.

Leia também:
Governo defende reformas após a pandemia para recuperar o PIB
Maia vê risco em redução do valor do auxílio emergencial defendida por Guedes

"Isso é natural devido ao fechamento de várias atividades de serviços, como serviços dedicados à família, cabelereiros, restaurantes...", disse a coordenadora de contas nacionais do IBGE, Rebeca Palis. "O setor de serviços sofreu mais porque foi paralisado temporariamente mais rápido."

A queda dos serviços, ressaltou Palis, contribuiu para o recuo de 2% no consumo das famílias no primeiro trimestre, o maior desde 2001, já que os serviços têm peso relevante nos gastos dos brasileiros, representando cerca de 50% do consumo.

A maior retração, segundo o IBGE, se deu nos serviços prestados às famílias, como restaurantes, hotéis e salões de beleza. Eles estão incluídos na categoria outros serviços, que recuou 4,2% no trimestre. Transporte, armazenagem e correio, onde está o transporte aéreo, caiu 2,4%.

Os serviços de informação e comunicação recuaram 1,9% e o comércio, que também sofre perdas com o fechamento dos estabelecimentos para enfrentar a pandemia, teve queda de 0,8%.

A indústria brasileira, segundo maior setor, encolheu 1,4% no período. Uma das subdivisões da indústria, o setor da construção, caiu 2,4% no período. A indústria extrativa teve queda de 3,2% e a de transformação, de 1,4%.

Na indústria da transformação, os principais destaques negativos foram dados pelos setores automobilístico, de artigos de vestuário e de outros equipamentos de transporte, que sofrem influência da queda no consumo das famílias.

A produção de automóveis já vinha sofrendo também pela crise na Argentina, principal mercado das exportações do setor. A agropecuária, por outro lado, cresceu 0,6% no trimestre, impulsionada principalmente pela safra da soja, que deve ser recorde em 2020.

Veja também

Assaí abre mais de 300 vagas com inauguração de nova loja no Recife
Blog dos Concursos

Assaí abre mais de 300 vagas com inauguração de nova loja no Recife

Fiat apresenta versão elétrica de seu principal modelo, o 500e
FMotors

Fiat apresenta versão elétrica de seu principal modelo, o 500e