Shoppings de BH pagarão multa se cobrarem estacionamento de clientes

Cliente terá isenção se o cupom fiscal registrar a mesma data em que utilizou o estacionamento e seu veículo permanecer no local por no máximo 6 horas

Os desembargadores Fernando Cerqueira, Eduardo Paurá, Cândido Saraiva e Luiz Carlos Figueiredo foram escolhidos, respectivamente, para os cargos de presidente, primeiro vice, segundo vice e corregedor. Os desembargadores Fernando Cerqueira, Eduardo Paurá, Cândido Saraiva e Luiz Carlos Figueiredo foram escolhidos, respectivamente, para os cargos de presidente, primeiro vice, segundo vice e corregedor.  - Foto: Divulgação / TJPE

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), publicou decreto nesta quinta-feira (5) regulamentando a lei que proíbe a cobrança de estacionamento em shoppings e supermercados com área superior a 5 mil metros quadrados, na cidade.

Estarão isentos do pagamento os clientes que apresentarem cupom fiscal comprovando a realização de despesas em valor igual ou superior a 10 vezes o cobrado pela vaga ocupada pelo veículo. Em caso de descumprimento, o estabelecimento pode levar multa de R$15 mil, dobrada a cada reincidência.

Conforme o Decreto 16.543/2017, o cliente terá isenção se o cupom fiscal registrar a mesma data em que utilizou o estacionamento e seu veículo permanecer no local por no máximo 6 horas. Caso este tempo seja superado, poderá ser feita cobrança por todo o período.

Os shoppings e supermercados deverão afixar cartazes em suas dependências informando sobre o benefício. O Procon do município será responsável pela fiscalização.

O decreto regulamenta a Lei Municipal 10.994/2016, de autoria do vereador Léo Burguês de Castro (PSL), que vigora desde outubro do ano passado. O ex-prefeito Márcio Lacerda (PSB) chegou e vetá-la por considerá-la inconstitucional, mas a Câmara Municipal derrubou o veto. No entanto, Márcio Lacerda se absteve de regulamentar o tema.

A medida atinge principalmente os shoppings, já que os supermercados da capital mineira, em sua maioria, não cobram estacionamento de seus clientes.

Em novembro, a Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce) entrou com uma ação judicial questionando a Lei, alegando que as propriedades privadas tem direito de cobrar pelo uso do seus espaços e que a questão extrapola os limites da legislação municipal.

O juiz Rinaldo Kennedy Silva, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), negou liminar para permitir a cobrança. O mérito da ação ainda será analisado.

Veja também

BC aprova obrigatoriedade dos bancos ofertarem Pix por agendamento
Economia

BC aprova obrigatoriedade dos bancos ofertarem Pix por agendamento

Lei que altera LDO em favor de programas emergenciais é publicada
Economia

Lei que altera LDO em favor de programas emergenciais é publicada