Sony lançará novo capacete de realidade virtual PlayStation

Aparelho é rápido e confortável, mas complicado para instalar devido aos numerosos cabos necessários para que funcione

A Menina e o LeãoA Menina e o Leão - Foto: Paris Filmes/Divulgação

A Sony se prepara para lançar seu novo capacete de realidade virtual PSVR, como já fizeram Facebook, Samsung e Google, em um mercado que os analistas consideram que impulsionará o setor dos videogames.

A companhia japonesa, que se apoia no negócio dos videogames para recuperar os lucros, começará a vender seu capacete de realidade virtual PlayStation (PSVR) na quinta-feira no mercado local japonês e no americano.

Com um preço de 399 dólares, o novo dispositivo de realidade virtual da Sony é significativamente mais barato do que as ofertas das empresas rivais, motivo pelo qual se espera que o produto seja rapidamente vendido na próxima temporada de férias.

Os capacetes PlayStation VR operam com os consoles PS4, que já venderam 40 milhões de unidades em todo o mundo. Já existem dezenas de jogos prontos para seu uso, que tornam possível voar como uma águia, conduzir automóveis esportivos em alta velocidade e explorar castelos.

A norma tem sido a de jogos de realidade virtual com segmentos que duram apenas poucos minutos. Os criados estão tentando determinar até quanto podem estender a duração desses jogos sem causar cansaço nos usuários.

A Sony prometeu que mais de 50 jogos ficarão disponíveis no mercado para o capacete PlayStation VR a poucos meses de seu lançamento, incluindo o "Resident Evil", sobre zumbis assassinos, e jogos baseados na franquia cinematográfica "Star Wars".

Alguns dos títulos já disponíveis nas lojas são "Batman: Arkham VR" e "Until Dawn: Rush of Blood". Aqueles que já aprovaram esses jogos dizem que usam os dispositivos de realidade virtual com sucesso para aumentar a surpresa e o suspense nos jogadores.

A Sony leva vantagem porque já tem uma linha PlayStation muito bem implantada e os capacetes operam com consoles que já estão em milhares de casas, dizem analistas. No começo deste ano, a empresa Oculus, do Facebook, começou a vender seus capacetes Rift de realidade virtual por 599 dólares, preço que não inclui o custo do console. A taiwanesa HTC cobra 799 dólares por seu capacete Vive VR Gear.

Já a Google anunciou seu capacete de realidade virtual Daydream View, que é compatível com smartphones e é um concorrente direto para o Samsung Gear VR.

A Microsoft anunciou na última quarta-feira que já recebe pedidos antecipados para seu HoloLens - capacete de realidade virtual que, segundo a empresa, facilita os usuários a interagirem com hologramas -, e afirma que enviará o dispositivo a seus clientes em novembro.

'A alvorada da realidade virtual'
"Este ano será o da alvorada dos jogos de realidade vitual", afirmou Hiroshi Sakai, analista no centro de pesquisa SMBC. "O lançamento de amanhã será a marca do dia em que a VR se tornará a tendência principal", acrescentou. A Sony não informou suas previsões de vendas globais de seus capacetes de realidade virtual.

A tecnologia, que continuará sendo pouco familiar para muitos consumidores, será mais um suplemento para a indústria ao invés de transformá-la, acrescentou Sakai. "Em vez de significar uma mudança para os jogos, a VR impulsionará a indústria de videogames", explicou Sakai.

Segundo um jornalista da AFP que experimentou o novo capacete, ele é rápido e confortável, mas complicado para instalar, devido aos numerosos cabos necessários para que funcione.

Para os jogadores, será inicialmente confuso adaptar seu estilo de jogo à realidade virtual, acrescentou o jornalista, e os usuários terão ainda que comprar uma câmera PS4, que não é fornecida com o capacete.

Para a Sony, o novo capacete será determinante para impulsionar a marca PlayStation e recuperar assim suas finanças afetadas por anos de perdas por causa da crise nos setores de televisão e de eletrônica.

O capacete PSVR "poderá ser um fator muito significativo se projetarmos com futuros negócios de Sony desde uma perspectiva muito mais ampla", concluiu Sakai.

Veja também

Startup do Recife abre 10 vagas de trabalho
OPORTUNIDADE

Startup do Recife abre 10 vagas de trabalho

Inoperante há mais de um ano, Avianca Brasil pede falência sem pagar funcionários e credores
aviação

Inoperante há mais de um ano, Avianca Brasil pede falência sem pagar funcionários e credores