monitoramento

SpaceX, de Elon Musk, vai lançar satélites-radar brasileiros

Por meio dos radares, será possível coletar imagens sobre queimadas, desmatamento e garimpos na Amazônia

Desmatamento na AmazôniaDesmatamento na Amazônia - Foto: Florian Plaucheur/ AFP

A Aeronáutica informou que o país lançará até a próxima segunda-feira (30) dois satélites-radar com a SpaceX, empresa do bilionário Elon Musk, que esteve no Brasil na semana passada para um encontro com o presidente Jair Bolsonaro. Mas a contratação da empresa do homem mais rico do mundo foi indireta, de acordo com as Forças Aéreas.

Os preparativos para o lançamento, a partir do Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), estão sendo finalizados. O projeto começou a ser desenvolvido em 2019 com a empresa finlandesa Iceye, com custo total de US$ 33 milhões. A parceria com a Space X foi feita de forma indireta, pela própria fabricante do equipamento.

A expectativa é que o novo sistema batizado de Lessonia 1 entre em operação em novembro. A principal novidade é que novo sistema permite captar dados, independentemente das condições atmosféricas, através de nuvens por exemplo, o que pode ser útil na Amazônia. Por meio desses radares, que rastreiam distâncias inferiores a dois metros, será possível coletar imagens sobre queimadas, desmatamento e garimpos.

Segundo o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Júnior, a Força pretende ceder as imagens para órgãos públicos, como Ibama e Polícia Federal. O sistema não capta foto em tempo real e os dados precisam de tempo para ser tratados e analisados, de acordo com os objetivos.

O comandante da Aeronáutica, contou em café com jornalistas, que conversou com Musk e ofereceu a ele a estrutura do Centro de Lançamento de Alcântara (Maranhão), via cessão onerosa. A base permite o lançamento de pequenos satélites.

Veja também

Com crise na Argentina, fabricantes de calçados no Brasil já cancelam vendas
Economia

Com crise na Argentina, fabricantes de calçados no Brasil já cancelam vendas

5G começou com velocidade oscilante em Brasília e pode atrasar em Manaus e Belém
BRASIL

5G começou com velocidade oscilante em Brasília e pode atrasar em Manaus e Belém