A-A+

STF decide que trading tem imunidade tributária na exportação

Entidades do agronegócio questionavam norma da Receita

Supremo Tribunal Federal (STF)Supremo Tribunal Federal (STF) - Foto: Agência Brasil

Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quarta-feira (12), que empresas conhecidas como trading companies (empresas comerciais que atuam como intermediárias entre empresas fabricantes e empresas compradoras, em operações de exportação e importação) têm direito à imunidade tributária na exportação de produtos. Com a decisão, esse tipo de empresa não poderá ser tributada quando realizar operações de intermediação de venda de mercadorias de produtores brasileiros para o exterior.

O caso foi decidido pela Corte em duas ações movidas por associações e empresas ligadas ao agronegócio, setor que mais utiliza esse tipo de operação. As entidades questionaram no STF a legalidade da Instrução Normativa 971/2009, da Receita Federal, que definiu que a isenção de contribuições sociais vale somente para produtores que fazem a operação de exportação de forma direta. Dessa forma, quem utiliza as empresas que fazem a intermediação da venda deveria pagar os tributos.

Ao analisar o caso, os ministros entenderam que operações de exportação realizadas de forma direta e indireta são imunes ao pagamento de contribuições sociais, conforme foi definido no artigo 149, § 2º, inciso I, da Constituição.

O plenário seguiu voto proferido pelos ministros Alexandre de Moraes e Edson Fachin, relatores das duas ações julgadas.

Leia também:
STF confirma que motorista condenado pode ter CNH suspensa
Moro defende no STF que juiz pode pedir dados de usuários da internet diretamente às empresas

No entendimento de Moraes, a Constituição concedeu imunidade às operações para evitar a "exportação de imposto", tornando o produto nacional mais caro no exterior. Para o ministro, a tributação criada pela Receita penaliza pequenos produtores e beneficia grandes empresas e produtores, que não pagam imposto se exportarem diretamente.

"A ideia da previsão da imunidade foi permitir que os produtos nacionais, cuja finalidade seja a exportação, se tornem mais competitivos, contribuindo para a geração de divisas e para o desenvolvimento da indústria nacional", disse o ministro.

Ainda não há informações sobre o impacto financeiro da decisão nas contas do governo federal.

Veja também

Nova geração do Range Rover chega ao Brasil em 2022
FMOTORS

Nova geração do Range Rover chega ao Brasil em 2022

Nubank protocola pedido de IPO
Economia

Nubank protocola pedido de IPO