STF homologa repasse de R$ 65 bi a estados e dá 60 dias para União apresentar projeto

Dos 65,5 bilhões, R$ 58 bilhões têm de ser depositados aos entes da federação até 2037 e o envio do valor restante fica sujeito a condicionantes

DinheiroDinheiro - Foto: Flickr

O STF (Supremo Tribunal Federal) homologou, nesta quarta-feira (20), acordo que prevê o repasse de R$ 65,5 bilhões da União para estados e o Distrito Federal -R$ 58 bilhões têm de ser pagos até 2037.

Oito ministros já votaram para, agora, dar prazo de 60 dias para o Executivo federal apresentar um projeto de lei complementar, a ser aprovado pelo Congresso, que regulamente o repasse da verba.

O acordo diz respeito a perdas geradas pela Lei Kandir, que isentou as exportações de cobrança do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), uma das principais fontes de arrecadação dos estados.

Leia também:
Governo destina R$ 10 bilhões para ações contra Covid-19
CNC: endividamento das famílias alcança 66,5% em maio

Os entes da federação haviam chegado a um consenso na manhã desta quarta-feira. A homologação pelo Supremo põe fim a uma das principais disputas fiscais entre governos estadual e federal nas últimas décadas.

Votaram para firmar o acordo os ministros Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Apenas o ministro Marco Aurélio divergiu. O ministro Celso de Mello não participou da sessão.

Dos 65,5 bilhões, R$ 58 bilhões têm de ser depositados aos entes da federação até 2037 e o envio do valor restante fica sujeito a condicionantes, como a aprovação de uma emenda constitucional sobre o Pacto Federativo e o leilão de petróleo dos blocos de Atapu e Sépia, inicialmente previsto para ocorrer este ano.

Aprovada em 1996, a Lei Kandir prevê que a União compense os estados e o Distrito Federal pelo ICMS que deixa de ser arrecadado com a desoneração das exportações. A forma do repasse previsto na legislação, entretanto, nunca chegou a ser regulamentada. Desta forma, governadores passaram a cobrar no STF alguma resolução para o caso.

O acordo estabelece que, agora, os entes da federação terão de retirar da corte os processos que cobraram uma solução para o impasse.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Preços do café em forte alta durante geada no Brasil
Economia

Preços do café em forte alta durante geada no Brasil

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE
SONEGAÇÃO

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE