Sudeste tem maior percentual de pagamentos do auxílio emergencial, com 36,1%

A Caixa Econômica divulgou pela primeira vez, nesta sexta-feira (5), os percentuais por região e por estado dos pagamentos do socorro

Aplicativo Caixa Auxílio EmergencialAplicativo Caixa Auxílio Emergencial - Foto: Isabelle Barbosa / Folha de Pernambuco

O Sudeste foi a região com o maior número de pessoas que receberam o auxílio emergencial de R$ 600 do governo, com 36,1%. Em segundo lugar, vem o Nordeste, com 35,7%.

A Caixa Econômica divulgou pela primeira vez, nesta sexta-feira (5), os percentuais por região e por estado dos pagamentos do socorro.

"Há um número maior de pessoas mais carentes na região Nordeste. Apesar de o Sudeste ter população superior ao Nordeste, as duas se equivalem em relação ao recebimento do auxílio", disse o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Leia também:
Prorrogação elevará gasto com auxílio emergencial para até R$ 203 bilhões
Caixa libera 2ª parcela para 2,6 milhões de beneficiários de auxílio


Do total, 10,9% dos auxílios emergenciais foram pagos a moradores da região Norte, 10,2 do Sul e 7,1% do Centro-Oeste.

Entre os estados, os moradores de São Paulo foram os que mais receberam o valor oferecido pelo governo, com 17,3%, seguido da Bahia, com 9,4%. Minas Gerais ficou em terceiro lugar, com 9%.

Segundo a Caixa, apenas na quinta-feira (4), 586,2 mil pessoas sacaram o auxílio presencialmente, o equivalente a R$ 393 milhões.

O volume foi maior do que as movimentações pelo aplicativo (que permite pagamento de boletos e compras), com 481,1 mil transações, R$ 98,8 milhões.

O auxílio emergencial foi criado pelo governo para aqueles que perderam renda com as medidas de isolamento social em meio à pandemia do novo coronavírus.

Para ter direito, o beneficiário precisa ter renda mensal de até R$ 552,50 ou renda familiar total de até R$ 3.135. Para quem conseguiu a ajuda, serão pagas três parcelas de R$ 600 reais.

"O pagamento da terceira parcela seguirá o mesmo racional da segunda. O valor será depositado e ficará disponível para pagamentos pelo aplicativo. Depois, segundo calendário, será liberado o saque", adiantou Guimarães.

Até quinta, 58,6 milhões de pessoas tinham recebido a ajuda, que soma R$ 76,6 bilhões.

Inicialmente, o governo estimou que o programa custaria R$ 98 bilhões aos cofres públicos. Depois, a previsão subiu para R$ 152,6 bilhões.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que o programa será prorrogado e serão liberadas mais duas parcelas, porém com valor menor, que ainda não foi definido.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Carrefour encerra negociações de fusão com canadense, diz agência
Negócios

Carrefour encerra negociações de fusão com canadense, diz agência

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana
Cotação

Dólar sobe para R$ 5,30, mas acumula queda na semana