stf

Supremo impõe derrota a SP, e Mato Grosso do Sul fica com ICMS do gás da Bolívia

Governo paulista diz que deixou de arrecadar R$ 15 bi devido à regra instituída por liminar do STF em 2006

Estátua da Justiça no STFEstátua da Justiça no STF - Foto: Agência Brasil

O STF (Supremo Tribunal Federal) impôs uma derrota ao governo de São Paulo nesta quinta-feira (22) e manteve com o Mato Grosso do Sul a competência para arrecadar ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o gás natural importado pela Petrobras da Bolívia.

O Executivo paulista afirma que deixou de arrecadar R$ 15 bilhões de 2006, quando o STF deu a primeira decisão liminar (provisória) sobre o tema, até o ano passado.

A decisão também é contrária ao Rio Grande do Sul e à Santa Catarina, que pediam para o STF reconhecer o direito a tributarem o gás natural comprado, alegando que a importação se consuma em seu território.

A maioria dos ministros, no entanto, entendeu que cabe ao Mato Grosso do Sul recolher o imposto. Votaram nesse sentido o relator, Gilmar Mendes, e os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

Os ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Marco Aurélio e Rosa Weber divergiram. O presidente do STF, ministro Luiz Fux, não estava presente, além de a corte estar com um integrante a menos enquanto Kassio Nunes Marques não toma posse.

Os ministros ainda discutiram se seria o caso de aguardar o voto de Fux, mas entenderam que o caso já estava decidido.

Para a corrente vencedora, a responsabilidade pela tributação é do local onde está sediada a empresa que promoveu juridicamente o ingresso do produto em território nacional, no caso, a Petróleo do Brasil de Corumbá (MS).

Mato Grosso do Sul sustentou que a tributação do gás que chega do país vizinho representa cerca de 13% da arrecadação total de ICMS. A estimativa é que o tributo renda ao estado aproximadamente R$ 1 bilhão por ano.

Gilmar afirmou que a expressão "circulação" do ICMS diz respeito à negociação direta entre o comprador e o vendedor, e não em relação ao trajeto percorrido pelo produto após a entrada no país.

"Até que seja alterado o destinatário jurídico da importação, o sujeito ativo decorrente do ICMS importação é o estado-membro em que está o estabelecimento do importador, qual seja, Mato Grosso do Sul, destinatário legal da mercadoria e que deu causa à circulação do gás com a transferência de domínio", disse.

Na quarta-feira (21), antes da derrota e após se reunir com o presidente do STF, ministro Luiz Fux, o governador João Dória (PSDB) havia comentado a perda de arrecadação que a decisão representaria para o estado.

"São Paulo já perdeu, já teve um prejuízo de R$ 15 bilhões por conta dessa medida e que agora pode ser reposta pelo Supremo, que é o gás boliviano que ingressa no território nacional por Corumbá, no Mato Grosso do Sul, e depois vai pelo gasoduto até Santos, o porto de Santos", disse.

Este é mais um capítulo na disputa entre os estados brasileiros sobre a competência para cobrar o ICMS nas importações, a chamada "guerra dos portos".

O gás é transferido da Bolívia para o Brasil pela Petrobras, por meio do Gasbol (gasoduto Bolívia-Brasil), operado pela TBG (Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil), e chega à estação de medição em Corumbá (MS).

É distribuído, via dutos, a outros estados brasileiros, entre eles os três que figuram como parte nas ações que tramitam no STF sobre a controvérsia.

A primeira das ações civis foi ajuizada ainda em 2006. Houve, desde então, liminares de Celso de Mello e de Ricardo Lewandowski, mandando os governos de São Paulo e Santa Catarina se abster da cobrança do tributo sobre a importação do gás.

Responsável por inaugurar a divergência, Moraes acusou a Petrobras de ter instituído a subsidiária da Petrobras em Corumbá para criar uma "porteira fictícia com uma finalidade clara e lamentavelmente regular politicamente para favorecer determinado estado com flagrante desrespeito ao princípio da impessoalidade".

"Decisão política da Petrobras com claro viés de deixar a tributação no Mato Grosso do Sul. Se nós tirarmos a Petrobras Corumbá do cenário, não muda nada a importação do ponto de vista operacional e administrativo, até porque toda medição é feita na Bolívia", disse.

Barroso, porém, afirmou que o "desembaraço aduaneiro é feito em Corumbá" e, por isso, o tributo deve ficar no estado em MS. O ministro classificou como "decisões legítimas" a instalação da Petrobrás em Corumbá e a regra legal de que o fator gerador do imposto é onde está situado o estabelecimento.

Ao fazer a sustentação oral no julgamento, o representante do Mato Grosso do Sul reforçou que é no território do estado, desde o início de funcionamento do Gasbol, que se completa a importação do produto.

Ao argumentar que a tributação do ICMS cabe ao destinatário jurídico da mercadoria importada, o advogado de São Paulo afirmou, com base em informações do ano passado, que 60% do gás natural importado pela Petrobras da Bolívia é destinado ao estado enquanto que apenas 6% ao Mato Grosso do Sul.

Para o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, o Mato Grosso do Sul tem razão no que reivindica.

De acordo com Medeiros, a natureza do ICMS é a circulação da mercadoria em solo nacional e, quando a Petrobras assume o domínio do gás natural na fronteira, está configurada a apropriação do produto pela empresa e, portanto, criado o fato gerador do tributo.

Veja também

Ministério cria Comitê Gestor de Proteção de Dados Pessoais
lei

Ministério cria Comitê Gestor de Proteção de Dados Pessoais

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA
BOLSA DE VALORES

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA