Tabelamento do frete contribui para a ruína dos caminhoneiros, diz presidente da Petrobras

Para Roberto Castello Branco, o problema dos motoristas não é o preço do diesel

Roberto Castello BrancoRoberto Castello Branco - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou nesta sexta-feira (25) que o tabelamento do frete "contribui para aprofundar os problemas" dos caminhoneiros e que a estatal já fez o que estava ao seu alcance para melhorar a situação.

"Ao contrário do que acontecia no passado, a empresa não faz reajustes diários [no preço dos combustíveis], espaça os reajustes, e sugeriu à BR Distribuidora que desenvolvesse o cartão do caminhoneiro para que seja garantido o preço [mais baixo] na sua viagem", disse em evento na B3 que celebrava a oferta pública de ações da BR.

Para ele, o problema dos motoristas não é o preço do diesel. "Mesmo se a Petrobras cobrasse preços venezuelanos, isso não adicionaria em nada aos caminhoneiros [porque] lhes falta carga. O tabelamento do frete contribui para a ruína dos caminhoneiros."

Leia também:
Suspensão de tabela de frete coloca pressão sobre STF, dizem advogados
Caminhoneiros protestam na BR-101 contra tabela de frete rodoviário

O executivo citou o processo de verticalização do transporte feito por setores como o do agronegócio para reduzir custos impostos com o tabelamento como exemplo de ação que agrava a oferta já saturada de caminhões.

"Os caminhoneiros têm sérios problemas motivados pelo excesso de oferta gerado por uma expansão irresponsável de crédito subsidiado no passado pelo BNDES", afirmou Castello Branco.

No mesmo evento, o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, afirmou que greve de caminhoneiro "só acontece em país que tem estatal de petróleo".

Veja também

Brasileiros acreditam em inflação de 4,8% nos próximos 12 meses
Economia

Brasileiros acreditam em inflação de 4,8% nos próximos 12 meses

Lei sobre Internet das Coisas pode gerar milhões de empregos, diz Ministério das Comunicações
Brasil

Lei sobre Internet das Coisas pode gerar milhões de empregos, diz Ministério das Comunicações