Tailandeses compram unidade da M&G em Suape

Empreendimento vai passar para as mãos da tailandesa Indorama Ventures.

M&GM&G - Foto: divulgação

Candidato a maior polo integrado de resinas de poliéster das Américas, o Complexo Petroquímico de Suape (CPS) não será mais administrado por companhias brasileiras. É que, seguindo o exemplo da Petrobras, que vendeu a Petroquímica Suape e a Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (Citepe) para a mexicana Alpek, a M&G Polímeros decidiu se desfazer da fábrica que mantém no Litoral Sul do Estado. O empreendimento vai passar para as mãos da tailandesa Indorama Ventures.

Leia também:
Suape e Porto Digital estudam parceria
Cade aprova venda da Petroquímica Suape
Licitação do Tecon 2 é liberada pelo PPI


O valor da operação não foi informado ao mercado, mas deve ser usado para sanar desequilíbrios financeiros da M&G. Afinal, a companhia entrou em recuperação judicial na Itália e nos Estados Unidos no ano passado. O Sindicato da Indústria Têxtil de Pernambuco (Sinditêxtil-PE), por sua vez, garante que esta questão não afeta a rentabilidade da fábrica pernambucana. “Esta é uma boa fábrica, que opera com toda a sua capacidade. A M&G não realizou a venda porque a fábrica estava ruim. Ao contrário, do ponto de vista local, a empresa não enfrenta problemas. Por isso, a venda até garante que as dificuldades não vão chegar por aqui”, declarou o presidente do Sinditêxtil-PE, Oscar Rache, acrescentando que a Indorama é uma “grande” empresa que deve garantir o bom funcionamento da operação.

Em comunicado enviado ao mercado, a Indorama afirmou que "esta aquisição no Brasil está em linha com a estratégia da Companhia de ampliar a liderança no mercado e expandir sua presença global nos principais mercados de PET com alto potencial de crescimento", destacando que "a América do Sul é um importante mercado emergente com demanda doméstica de resina PET apresentando um crescimento em torno de 5%". A companhia ainda afirmou que a aquisição fortalece a sua liderança no mercado mundial de resina PET. Afinal, possibilita que a empresa já chegue ao mercado brasileiro com a posse da maior instalação de PET do País - a fábrica de Suape tem capacidade para produzir 550 mil toneladas de resina por ano e ainda se beneficia da proximidade da Petroquímica Suape, que lhe fornece matéria-prima.

A venda, no entanto, ainda precisa ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Assim como fez com a Petroquímica e a Citepe, o Cade deve analisar se a operação não fere o princípio de competitividade, gerando concentração excessiva no setor. Por isso, a Indorama espera que a transação só seja concluída nos próximos três meses. A Alpek, por exemplo, teve a compra da Petroquímica Suape e da Citepe aprovadas em fevereiro, mas ainda não assumiu o comando das companhias.

Veja também

Bolsonaro sanciona lei que prorroga incentivos fiscais para montadoras de veículos
Brasil

Bolsonaro sanciona lei que prorroga incentivos fiscais para montadoras de veículos

Saúde pública continua gratuita para população, diz Economia
saúde

Saúde pública continua gratuita para população, diz Economia